"Não ao racismo", "Grito à liberdade". Novos vídeos do protesto na Avenida

Vídeos divulgados esta terça-feira nas redes sociais mostram o grupo de jovens que subiu a Avenida da Liberdade na segunda-feira e as palavras que gritavam.

"Não ao racismo", "Grito à liberdade" e "À justiça, à igualdade". Estas são algumas das palavras de ordem que se ouviram na segunda-feira ao final da tarde gritadas pelos jovens que desfilaram na Avenida da Liberdade e que voltaram a ser motivo de um vídeo publicado na rede social Facebook.

Uma gravação feita por Sinho Bfh Baessa Pina foi replicada pela página Consciência Negra com o comentário: "Querem nos amedrontar com mais bastonadas e tiros de bala de borracha, não vão conseguir. Ontem a periferia de Lisboa desceu a Av. da Liberdade para repudiar a brutalidade policial que se quer quotidiana. Dissemos BASTA! Não ao racismo e a violência de Estado, a luta por dignidade e pela igualdade de direitos vai continuar!".

Já o autor da gravação, na sua página, tem as imagens com o comentário: "A descrição fica ao vosso critério 21/01/2019."

O vídeo tem 01.18 minutos e nele pode-se observar os jovens a subir a Avenida da Liberdade pela faixa de rodagem depois da manifestação que teve lugar no Terreiro do Paço em apoio aos moradores do Bairro da Jamaica e contra a intervenção da PSP naquela zona do Seixal no domingo de manhã. Foi depois deste desfile que surgiram os desacatos que levaram à detenção de quatro jovens todos com antecedentes criminais.

Antes de terminar o vídeo ouve-se "o pessoal tem de acordar" e nas últimas imagens um dos manifestantes diz: "Não vai parar por aqui."

Também neste dia foram divulgados outros pequenos vídeos da manifestação:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".