Municípios algarvios recorrem à justiça para travar fecho de postos dos CTT

Anacom estima que, este ano, sejam encerradas 48 estações dos CTT em Portugal.

A associação de municípios Terras do Infante, que junta as câmaras algarvias de Aljezur, Lagos e Vila do Bispo, vai apresentar uma providência cautelar para travar o encerramento de estações dos CTT na zona, foi esta quarta-feira anunciado.

Em causa estão as estações de Correios de Aljezur, Praia da Luz (Lagos) e Sagres (Vila do Bispo), mas também a de Carvoeiro (Lagoa), mas um procedimento semelhante vai também ser adotado pela Câmara de Lagoa, afirma a Terras do Infante, num comunicado assinado pela presidente do seu Conselho Diretivo e também da Câmara de Lagos, Joaquina Matos.

A decisão foi tomada pela associação de municípios "após reunião com a Administração dos CTT no passado dia 14", precisou a Terras do Infante, explicando que o posicionamento foi adotado pelo seu Conselho Diretivo para travar o encerramento das estações de Aljezur, Praia da Luz e Sagres.

"Da mesma forma procederá o município de Lagoa em relação à Estação de Carvoeiro", garantiu a Terras do Infante, esclarecendo que o vice-presidente da Câmara de Lagoa também participou na reunião com a Administração dos CTT.

No final deste encontro com a cúpula da empresa concessionária do serviço postal em Portugal, a "delegação de autarcas que se dirigiu a Lisboa, e que incluía também o vice-presidente da Câmara Municipal de Lagoa, concluiu que o processo em curso tem como finalidade primeira o encerramento destas estações ou a sua transformação em postos, concessionados a privados", argumentou.

O encerramento destas estações de Correios nos três concelhos do extremo ocidental do Algarve levará, segundo a associação destes municípios, "à destruição, degradação e desqualificação de um serviço público" e "penalizará as populações, as pequenas e médias empresas, os turistas e comunidade estrangeira residente".

A Terras do Infante considera também estar em causa "um ataque à qualificação do território, em particular nas baixas densidades, que prejudicará em muito o desenvolvimento social e económico sustentável destas localidades", e haver "incumprimentos vários ao contrato de concessão do Serviço Postal Universal" por parte dos CTT ao encerrar esses serviços.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.