O medronho que o fogo levou

Incêndio de Monchique terá destruído dois terços da produção algarvia de medronho. Árvores vão recuperar - são das mais resistentes - mas vai levar quatro anos até produzirem outra vez.

A zona onde se produz o medronho de melhor qualidade foi precisamente onde começou o incêndio na serra de Monchique. E, ao fim de sete dias de fogo, estima-se que tenham sido destruídos pelo menos "dois terços" da área de medronhal.

Paulo Rosa, presidente da Associação de Produtores de Aguardente de Medronho do Barlavento Algarvio, está pessimista. "Não tenho dados concretos ainda, porque o incêndio ainda não terminou e não há levantamento, mas pelo que conheço o terreno, as propriedades dos produtores e as zonas mais afetadas pelo menos dois terços da zona de medronhal devem ter sido completamente destruídos." A zona que o incêndio percorreu, nos primeiros dias, era praticamente só medronhal e, segundo a Apagarbe, "é a zona que tem mais produtores", para cima de 50.

Além da produção da tradicional aguardente, o fruto também já começa a ser consumido, e reconhecido pelas suas propriedades antioxidantes.

Completamente destruído é, no caso do medronho, uma força de expressão, porque esta árvore é, a par com a oliveira, "a que tem maior poder de recuperação". Porque a "vida está na raiz e o fogo não a destrói". Agora, o que é necessário é "cortar", mas, mesmo assim, "só daqui a três, quatro anos começará a dar medronho, e em quantidades muito reduzidas". A este período de regeneração da espécie, vai juntar-se "o problema do investimento que vai ser necessário para recuperar o medronhal", diz Paulo Rosa.

O medronheiro é uma das espécies mediterrânicas mais bem adaptadas ao clima e solo português, porque tanto tolera a falta de água como o frio. Segundo o biólogo Carlos Fonseca, da Universidade de Aveiro, ouvido pela Lusa, nas áreas ardidas, o medronheiro (Arbutus unedo) "é das primeiras espécies nativas que se regenera, protegendo também desta forma o solo".

Há medronheiros em solo do que hoje é Portugal há milhares de anos, e adaptaram-se aos fogos naturais que sempre houve. "Rebenta desde a base do tronco ou da raiz e contribuindo para a proteção e reabilitação do solo", disse à Lusa Carlos Fonseca, professor da Universidade de Aveiro e da Cooperativa Portuguesa de Medronho.

As plantações de medronheiro, com diferentes áreas, "funcionam como autênticos mosaicos de fragmentação de manchas florestais contínuas, contribuindo por si só para a descontinuidade florestal" e para a prevenção dos fogos, disse o especialista. "O medronheiro é uma das espécies arbustivas que atualmente apresenta um maior potencial económico, principalmente devido às múltiplas utilizações do seu fruto." A saber, a produção de bebidas e derivados, o consumo como fruto fresco ou sumo, além da sua aplicação em iogurtes, compotas, pastelaria, cosmética, medicina e nutricionismo, entre outras utilizações.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?