O medronho que o fogo levou

Incêndio de Monchique terá destruído dois terços da produção algarvia de medronho. Árvores vão recuperar - são das mais resistentes - mas vai levar quatro anos até produzirem outra vez.

A zona onde se produz o medronho de melhor qualidade foi precisamente onde começou o incêndio na serra de Monchique. E, ao fim de sete dias de fogo, estima-se que tenham sido destruídos pelo menos "dois terços" da área de medronhal.

Paulo Rosa, presidente da Associação de Produtores de Aguardente de Medronho do Barlavento Algarvio, está pessimista. "Não tenho dados concretos ainda, porque o incêndio ainda não terminou e não há levantamento, mas pelo que conheço o terreno, as propriedades dos produtores e as zonas mais afetadas pelo menos dois terços da zona de medronhal devem ter sido completamente destruídos." A zona que o incêndio percorreu, nos primeiros dias, era praticamente só medronhal e, segundo a Apagarbe, "é a zona que tem mais produtores", para cima de 50.

Além da produção da tradicional aguardente, o fruto também já começa a ser consumido, e reconhecido pelas suas propriedades antioxidantes.

Completamente destruído é, no caso do medronho, uma força de expressão, porque esta árvore é, a par com a oliveira, "a que tem maior poder de recuperação". Porque a "vida está na raiz e o fogo não a destrói". Agora, o que é necessário é "cortar", mas, mesmo assim, "só daqui a três, quatro anos começará a dar medronho, e em quantidades muito reduzidas". A este período de regeneração da espécie, vai juntar-se "o problema do investimento que vai ser necessário para recuperar o medronhal", diz Paulo Rosa.

O medronheiro é uma das espécies mediterrânicas mais bem adaptadas ao clima e solo português, porque tanto tolera a falta de água como o frio. Segundo o biólogo Carlos Fonseca, da Universidade de Aveiro, ouvido pela Lusa, nas áreas ardidas, o medronheiro (Arbutus unedo) "é das primeiras espécies nativas que se regenera, protegendo também desta forma o solo".

Há medronheiros em solo do que hoje é Portugal há milhares de anos, e adaptaram-se aos fogos naturais que sempre houve. "Rebenta desde a base do tronco ou da raiz e contribuindo para a proteção e reabilitação do solo", disse à Lusa Carlos Fonseca, professor da Universidade de Aveiro e da Cooperativa Portuguesa de Medronho.

As plantações de medronheiro, com diferentes áreas, "funcionam como autênticos mosaicos de fragmentação de manchas florestais contínuas, contribuindo por si só para a descontinuidade florestal" e para a prevenção dos fogos, disse o especialista. "O medronheiro é uma das espécies arbustivas que atualmente apresenta um maior potencial económico, principalmente devido às múltiplas utilizações do seu fruto." A saber, a produção de bebidas e derivados, o consumo como fruto fresco ou sumo, além da sua aplicação em iogurtes, compotas, pastelaria, cosmética, medicina e nutricionismo, entre outras utilizações.

Ler mais

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.