Maternidade Alfredo da Costa só tem equipas de urgência para cinco dias em agosto

A Ordem dos Médicos reúne esta terça-feira com os diretores clínicos das maternidade e com a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo.

A Maternidade Alfredo da Costa (MAC), em Lisboa, só tem anestesistas disponíveis para assegurar urgências durante cinco dias do mês de agosto. De acordo com a notícia publicada pelo jornal Público, a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) foi informada do problema nesta segunda-feira de manhã, numa reunião com os diretores clínicos de quatro dos maiores hospitais da zona da Grande Lisboa, onde existe falta de recursos humanos: Maternidade Alfredo da Costa, Hospital de Santa Maria, Hospital de S. Francisco Xavier e Hospital Amadora-Sintra

Segundo o Público, as equipas de urgência da MAC são constituídas por seis obstetras e dois anestesistas, dois a três neonatologistas e equipa de enfermagem. "Perante os dados que estavam disponíveis até à hora da reunião com a ARSLVT, chegou-se à conclusão que, perante os mapas de férias, só era possível garantir equipas completas para cinco dias dos 31 que compõem o mês de agosto", refere a notícia, segundo a qual a direção da maternidade e o Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central (CHULC) tentam, juntamente com os médicos tarefeiros, preencher mais dias de escalas para as urgências de obstetrícia.

Contactado pelo Público, o presidente da ARSLVT, Luís Pisco, disse que não podia "confirmar nada", tal como o conselho de administração do CHULC: "O CHULC não confirma essa informação. O CHULC trabalha, neste momento, em conjunto com a ARSLVT para garantir o funcionamento dos serviços com os níveis de qualidade e segurança adequados."

Este problema não é novo. Em dezembro, a falta de anestesistas na MAC já tinha levado ao encerramento das urgências de obstetrícia, onde não existe um corpo exclusivo de anestesistas, pelo que a equipa roda entre as várias unidades do CHULC.

Para esta terça-feira está prevista uma reunião da Ordem dos Médicos com os diretores das maternidades e, mais tarde, com a ARSLVT.

Depois de vir a público o plano da ARLVT para fechar, rotativamente, as urgências das maternidades de Lisboa, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Francisco Ramos, adiantou à TSF que o plano de contingência para as urgências da Maternidade Alfredo da Costa, do Hospital de Santa Maria, do Hospital de São Francisco Xavier e do Hospital Amadora-Sintra vai ser conhecido ainda esta semana.

Contactado por email pelo DN, o CHULC não confirma a informação.

Exclusivos