Mais uma vítima de violência doméstica. Mulher de Vieira do Minho morta pelo marido

Pouco depois de ter cometido o crime, o marido deslocou-se ao posto da GNR de Braga para se entregar.

Uma mulher de 39 anos de Salamonde, Vieira do Minho (Braga), foi encontrada morta, esta quarta-feira à noite na sua casa, confirmou o presidente da associação de bombeiros de Vieira do Minho, Albino Carneiro, ao DN. A vítima, Ana Paula Fidalgo, não apresentava "sinais de violência externa", acredita-se que tenha sido estrangulada pelo marido, que confessou o crime no posto da GNR de Braga.

O crime terá ocorrido por volta das 21.30 horas. O suspeito ainda se colocou em fuga depois do homicídio, mas passado pouco tempo deslocou-se ao posto da GNR de Braga "pelos seus próprios meios" para confessar o mesmo. O casal já teria um historial de "desentendimentos", refere Albino Carneiro.

Segundo a GNR, não há registo de qualquer denuncia por violência doméstica relacionada com este casal, avança a Lusa. A Polícia Judiciária vai investigar o caso.

De acordo com o Diário do Minho, o casal e os dois filhos menores tinham regressado a Portugal há pouco mais de um ano, depois de terem estado emigrados em Londres. Encontravam-se a viver em Vieira do Minho, onde eram proprietários do restaurante "Refúgio do Gerês". De acordo com o mesmo jornal, o crime estará relacionado com questões passionais.

Este é o 12.º caso confirmado de uma mulher morta pelo marido desde que o ano começou.

A APAV disponibiliza ajuda às vitimas de violência doméstica presencialmente, de forma gratuita, confidencial, bem como através da Linha de Apoio à Vítima - 116 006 (chamada gratuita das 9:00-21:00). Também a Comissão para a Igualdade de Género (CIG) desenvolveu um serviço de informação telefónico gratuito, disponível 24 horas por dia, para apoiar vítimas de violência doméstica, através do número 800 202 148. Do outro lado da linha, será recebido por um profissional que lhe prestará informação sobre os direitos das vítimas e sobre os recursos existentes em todo o território nacional e onde pode ser obtido apoio psicológico, social e informação jurídica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".