Luz Saúde retoma marcações de consultas com ADSE

O Grupo Luz Saúde decidiu retomar as marcações de consultas e exames ao abrigo das convenções celebradas com o subsistema de saúde dos funcionários públicos (ADSE).

Em comunicado, a comissão executiva da Luz Saúde esclarece que "face à vontade expressa pelo Conselho Diretivo da ADSE" para reiniciar negociações "com vista à reformulação das convenções", a Luz Saúde decidiu "retomar as marcações, sem restrições de datas, dos serviços prestados ao abrigo das convenções celebradas com a ADSE, enquanto estiver a decorrer o período de negociações".

Na sequência dos "entendimentos já alcançados nas últimas semanas", a Luz Saúde está confiante de que "será possível assinar, num curto espaço de tempo, um memorando de entendimento que regule o processo de negociação e que, em consequência, a ADSE apresente até meados de abril uma proposta de nova tabela".

Até lá os beneficiários da ADSE podem continuar a recorrer à rede de hospitais e clínicas Hospital da Luz ao abrigo do Regime Convencionado com a ADSE e proceder a marcações sem qualquer constrangimento, incluindo para datas posteriores a 15 de
abril de 2019. Todas as marcações entretanto efetuadas ao abrigo do plano especial para data posterior a 15 de abril serão realizadas ao abrigo do Regime Convencionado, garante esta entidade.

Esta decisão vem na sequência da tomada de posição do Grupo José de Mello Saúde que, esta semana, anunciou também que irá continuar a atender os utentes do Estado até chegar a um acordo quando aos novos preços.

Recorde-se que este braço de ferro entre privados e o sistema de saúde do Estado surge depois de a ADSE lhes ter exigido 38,8 milhões de euros que o Governo entende que foram recebidos em excesso nos anos de 2015 e 2016. Em causa, alega a ADSE, estão desvios significativos de preço entre os diferentes prestadores de serviços de saúde que mantêm uma convenção para cuidados aos beneficiários deste subsistema de saúde com base numa tabela de preços, revista em junho passado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?