Carla Amorim, a guarda prisional de 32 anos que morreu num treino

Um dos formadores "atingiu, inadvertidamente com um projétil no peito, uma guarda do Estabelecimento Prisional de Santa Cruz" na carreira de tiro junto à cadeia de Paços de Ferreira

Carla Amorim tinha 32 anos e morreu esta terça-feira de manhã, baleada, na carreira de tiro situada no exterior da cadeia central de Paços de Ferreira, confirmou fonte do estabelecimento prisional ao DN. A guarda prisional participava numa ação de formação de tiro.

A guarda prisional, natural de Mesão Frio, vivia em Baião e era guarda prisional desde 2012.

De acordo com a Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais "pelas 11 horas", registou-se "um acidente de serviço com arma de fogo durante uma ação de formação integrada no plano anual de tiro e que estava a ter lugar na carreira de tiro do Estabelecimento Prisional de Paços de Ferreira"

"Durante a ação de formação, um dos formadores presentes atingiu, inadvertidamente com um projétil no peito, uma guarda do Estabelecimento Prisional de Santa Cruz do Bispo (feminino) que se encontrava a receber formação", lê-se na nota. Elementos do INEM deslocou-se ao local, tendo procedido a manobras de reanimação, que ", infelizmente, não tiveram sucesso". "O óbito foi declarado no local".

Ordenada a abertura de um inquérito

O caso foi reportado à Polícia Judiciária pela GNR e, adianta a Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais, "estão a decorrer internamente as diligências para apurar as causas deste acidente".

Foi também "ordenada a abertura de inquérito a cargo do inspetor coordenador do Serviço de Auditoria e Inspeção (Norte) desta Direção Geral e que é magistrado do Ministério Público".

A Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais Direção Geral "lamenta profundamente o ocorrido e apresenta sentidas condolências à família do elemento do corpo da guarda prisional vitima deste infeliz acidente".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.