Associação de doentes com cancro preocupada com greve

A associação de apoio ao doente com cancro digestivo manifestou esta sexta-feira a sua preocupação com "as graves consequências" da greve dos enfermeiros para os doentes oncológicos.

Num comunicado enviado à agência Lusa já com a requisição civil em vigor em quatro hospitais, a associação Europacolon entende que a greve cirúrgica dos enfermeiros "está a aportar danos e sofrimento irreparáveis aos doentes oncológicos".

A associação que apoia os doentes com cancro digestivo, como cancro do intestino, lembra que o Serviço Nacional de Saúde atravessa dificuldades com as listas de espera para cirurgia "já numa situação normal", sendo que a situação é agravada com adiamentos de cirurgias provocados pela greve em blocos operatórios.

"A cirurgia na área oncológica é o ato prioritário com intenção curativa que deve ser efetuado o mais rapidamente possível", refere o comunicado, que apela a que todas as cirurgias oncológicas sejam sempre colocadas nos serviços mínimos a definir para as greves no setor da saúde.

A quimioterapia e a radioterapia estão sempre enquadradas nos serviços mínimos decretados na paralisação do setor.

Na atual greve dos enfermeiros, que decorre até ao fim do mês, bem como na paralisação do final do ano passado, a questão dos doentes oncológicos foi alvo de debate.

As cirurgias oncológicas consideradas de grau mais prioritário estiveram enquadradas nos serviços mínimos, mas nem todas as operações a doentes com cancro estavam salvaguardadas. O Governo decretou na quinta-feira requisição civil para tentar travar a greve dos enfermeiros nos blocos operatórios.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.