Casas de habitação permanente destruídas. Aldeia de Fóia evacuada

ATUALIZAÇÃO. A aldeia de Fóia está a ser parcialmente evacuada. Há ainda seis focos de incêndio que estão a preocupar as autoridades. Os meios aéreos voltaram a levantar voo. Autarca de Monchique confirma várias casas de primeira habitação destruídas

Depois de se ter dissipado parte do fumo que se acumulou durante a noite e com novo fogo à vista, os meios aéreos voltaram a levantar para combater as chamas, apurou o DN.

Cerca das 16h, a GNR de Monchique confirmou que parte da aldeia de Fóia está a ser evacuada.

O fogo rural que deflagrou naquela zona na sexta-feira já consumiu entre 15.000 e 20.000 hectares, mas já foi considerado dominado em 95% do seu perímetro, mas os 5% que restam continuam a preocupar as autoridades. Há duas piores zonas continuam a ser as Caldas de Monchique e São Marcos da Serra.

"Os terrenos do norte da vila estão muito quentes e tememos que a qualquer momento possam reacender", afirma o presidente da Câmara de Monchique.

O autarca confirmou que há várias primeiras habitações destruídas e dezenas de segundas habitações também, mas não quis avançar com um número.

Rui André afirma que vai precisar do apoio do Estado para reconstruir o território.

Notícia atualizada às 16:15

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.