Casas de habitação permanente destruídas. Aldeia de Fóia evacuada

ATUALIZAÇÃO. A aldeia de Fóia está a ser parcialmente evacuada. Há ainda seis focos de incêndio que estão a preocupar as autoridades. Os meios aéreos voltaram a levantar voo. Autarca de Monchique confirma várias casas de primeira habitação destruídas

Depois de se ter dissipado parte do fumo que se acumulou durante a noite e com novo fogo à vista, os meios aéreos voltaram a levantar para combater as chamas, apurou o DN.

Cerca das 16h, a GNR de Monchique confirmou que parte da aldeia de Fóia está a ser evacuada.

O fogo rural que deflagrou naquela zona na sexta-feira já consumiu entre 15.000 e 20.000 hectares, mas já foi considerado dominado em 95% do seu perímetro, mas os 5% que restam continuam a preocupar as autoridades. Há duas piores zonas continuam a ser as Caldas de Monchique e São Marcos da Serra.

"Os terrenos do norte da vila estão muito quentes e tememos que a qualquer momento possam reacender", afirma o presidente da Câmara de Monchique.

O autarca confirmou que há várias primeiras habitações destruídas e dezenas de segundas habitações também, mas não quis avançar com um número.

Rui André afirma que vai precisar do apoio do Estado para reconstruir o território.

Notícia atualizada às 16:15

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).