Governo lança apoio de 36 milhões para substituir eucaliptos

Concurso decorre em duas fases, para o norte do país e para o Centro, regiões "onde a estrutura da propriedade oferece maiores dificuldades à obtenção deste tipo de apoios"

O Governo lança esta terça-feira concursos faseados de apoio à floresta, por região do país, no valor global de 36 milhões de euros, uma iniciativa inédita, que visa reflorestar a área ardida e substituir eucaliptos por espécies de crescimento lento.

De acordo com um comunicado do Ministério da Agricultura, Florestas e do Desenvolvimento Rural (MAFDR), este "novo ciclo de apoio à floresta" consiste na abertura de "concursos regionalizados" que têm como prioridade a recuperação de áreas ardidas e a reconversão de áreas de eucalipto de baixa produtividade em zonas de espécies de crescimento lento. Recorde-se que o DN tinha noticiado no domingo que as árvores e sementeiras autóctones não tinham qualquer apoio.

"Trata-se de uma mudança de paradigma no apoio à floresta, que vai ajudar a equilibrar a distribuição de ajudas pelo território, uma vez que estamos a lançar, pela primeira vez, concursos regionalizados", explica o secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural.

Segundo Miguel Freitas, "o concurso decorre em duas fases, abrindo hoje a primeira delas, com um concurso para o norte do país, no valor de 10 milhões de euros, e outro para o Centro, no valor de 12 milhões de euros".

A ideia é apoiar especificamente as duas regiões do país "onde a estrutura da propriedade oferece maiores dificuldades à obtenção deste tipo de apoios".

"Trata-se de uma mudança de paradigma no apoio à floresta, que vai ajudar a equilibrar a distribuição de ajudas pelo território"

Por esse motivo, foi estabelecido "este mecanismo de discriminação positiva, que incide também de forma específica na recuperação do Pinhal Interior, para o qual será obrigatoriamente canalizada uma parte da verba destinada à região Centro", acrescenta o Secretário de Estado, especificando que "esse valor corresponde a 4 milhões de euros".

O Governo pretende que os trabalhos de reflorestação decorram "no tempo adequado", uma vez que só na próxima campanha se poderá perceber o que vai ser reflorestado com recurso a regeneração natural - sendo necessários apoios para conduzir essa floresta - e o que vai ser reflorestado com recurso a plantação.

O concurso abre hoje e estará aberto até 12 de outubro.

Numa segunda fase, serão colocados a concurso mais 14 milhões de euros para as regiões de Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo e Algarve.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.