Farto do calor? Temperaturas começam a descer segunda-feira

Terça-feira é o primeiro dia sem aviso meteorológico desde que começou esta vaga de calor

As temperaturas máximas e mínimas vão começar a descer a partir de amanhã, segunda-feira, embora nos distritos de Portalegre e Castelo Branco ainda se mantenham os avisos laranja e vermelho, segundo o IPMA.

Em declarações à agência Lusa, a meteorologista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), Joana Sanches adiantou que na terça-feira está prevista uma nova descida da temperatura máxima, principalmente nas regiões do interior entre os 8 e os 10 graus.

Este será o primeiro dia sem qualquer aviso meteorológico, depois da vaga de calor.

Para hoje, um dia ainda marcado por temperaturas elevadas, há possibilidade de ocorrência de trovoadas com aviso emitido para os distritos de Portalegre, Évora, Beja e Faro existindo ainda a previsão dessas ocorrências durante a manhã de segunda-feira nas regiões do interior.

Nos últimos dias Portugal enfrentou temperaturas muito elevadas, subindo de forma acentuada a partir de 1 de agosto, o que levou o IPMA a emitir avisos vermelhos em 11 dos 18 distritos de Portugal continental.

Durante estes dias foram atingidos máximos históricos em várias estações meteorológicas, nomeadamente em Lisboa, que no sábado chegou aos 44º.

No sábado, as temperaturas estavam às 17:00 acima dos 45 graus em 16 das 96 estações de medição de Portugal continental, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

A temperatura mais elevada registada até às 17:00 de sábado foi 46,8 graus em Alvega, a que se seguiram: Santarém/F. Boa (46,3°), Alcácer do Sal (46,2°), Coruche e Alvalade do Sado (46,1°), Pegões (46,0º), Neves Corvo (45,8°), Setúbal (45,5°), Évora e Tomar (45,4°), Reguengos e Amareleja (45,3°), Avis, Viana do Alentejo e Portel (45,2°) e Mora (45,1°).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.