Detido do bairro da Jamaica sai em liberdade

Jovem detido pela PSP depois de episódio de violência entre agentes e moradores saiu em liberdade, depois de ter sido ouvido pelo juiz.

Hortênsio Coxi, o único detido na sequência do episódio de violência entre agentes da PSP do Seixal e moradores do bairro da Jamaica, no domingo, saiu em liberdade depois de ter sido ouvido durante a manhã em tribunal. Foi constituído arguido e vai responder pelo crime de crime de resistência e coacção sobre funcionário.

À porta do tribunal, o jovem contou com o apoio da família e da associação SOS Racismo, que já apresentou queixa relativamente à atuação da polícia, no caso que levou à detenção de Hortênsio.

Um de sete irmãos, o pai Fernando Coxi diz que a família é um exemplo no bairro. A polícia terá sido chamada ao bairro por caude de "uma desordem entre duas mulheres". Ora segundo explicou Fernando Coxi ao DN, seria a sua filha e outra rapariga que estavam a discutir. Hortêncio foi defender a irmã e acabou a empurrar a outra rapariga que estava a discutir. Esta terá chamado a polícia.

Foi aí que surgiu o problema. Segundo a PSP, um grupo de homens reagiu à intervenção dos agentes quando estes chegaram ao local, atirando pedras. Deste confronto resultaram cinco feridos ligeiros, cinco civis e um agente. Hortênsio Coxi acabou detido.

A atuação dos agentes foi filmada e a SOS Racismo classifica como "absolutamente injustificáveis e inaceitáveis" as agressões registadas.

Por isso, a família quer que sejam tiradas consequências da atuação da polícia. E garante que a embaixada de Angola está a seguir o caso. A própria PSP revelou no domingo que abriu um inquérito à intervenção policial.

Fernando Coxi sublinha que há 20 anos que mora no bairro da Jamaica, e garante que é "um bairro bom de gente boa".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.