De Cavaco a Guterres. A última experiência portuguesa com mudanças de hora

Entre 1992 e 1995, Portugal adotou a hora da Europa Central, tendo voltando depois ao Tempo Médio de Greenwich (GMT). Jornal espanhol relembrou situação e algumas das polémicas

A consulta pública aos cidadãos europeus feita pela internet, relativamente ao fim da mudança da hora, contou com mais de 4,6 milhões de respostas, a grande maioria alemães. 84% declarou-se interessado em acabar com a mudança da hora e, em Portugal, foram 85%, o que corresponde, ao fim ao cabo, em 29 mil de 34 mil de portugueses votantes.

Com a questão das horas, dos fusos horários, dos relógios e da noite e do dia na ordem de trabalho desde há alguns dias, convém recordar a última "experiência" portuguesa com todos estes conceitos. De 1992 a 1996, a hora não deixou de mudar, mas Portugal adotou a hora da Europa Central, seguindo assim o meridiano de Berlim.

Decisão de Cavaco Silva, tinha como grande meta acertar a hora com outros países da Europa, para melhorar contextos negociais. Em 1996, foi já com António Guterres que Portugal voltou ao Tempo Médio de Greenwich (GMT).

O jornal espanhol El Mundo recorda a situação portuguesa e o "caos em Portugal quando adiantou o seu relógio para coincidir com Espanha". Recorda a mesma publicação que, no último domingo de setembro de 1992, "quando todo o mundo ganhou uma hora, Portugal absteve-se".

No entanto, o desfasamento em relação ao tempo solar era enorme - chegou a ser de duas horas e meia - o que muitas pessoas estranharam, levando a insatisfação. Isto porque no inverno, às nove da manhã chegava a ser de noite, enquanto de verão a noite parecia só chegar por volta das 23:00/24:00. Além disso, houve um aumento do número de ataques de ansiedade e muitas histórias de crianças que ainda iam dormir para a escola.

O "disparate cavaquista", como lhe chamou António Guterres, não duraria mais que os já referidos anos e, por exemplo, como refere também o El Mundo, o número de suicídios baixou cerca de 15%.

Rui Agostinho, diretor do Observatório Astronómico de Lisboa, afirma que Portugal deve manter a situação atual. "O atual regime da Hora Legal em Portugal com Hora de Verão é o melhor quando comparado com as possíveis alternativas. Os Estados membros da União Europeia tiram consequências positivas da existência do regime da Hora de Verão. Contudo, poderia ser melhorado. A União Europeia e o Estado português, com a sua representação nela, deveriam apoiar e aprovar a melhoria do regime atual da Hora de Verão [HdV], alterando para o último domingo de setembro o terminus do período da HdV. Este era o regime de Hora de Verão que se fazia até 1995 nos países do continente europeu, e mostra que sempre foi a escolha, ao longo de muitas décadas, com a qual todos os povos se sentiam relativamente bem", lê-se nas conclusões finais de relatório, a que o DN teve acesso e que foi enviado ao Governo no dia 29 de agosto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.