Câmara do Porto recebe quartel para criar habitação de renda acessível

Espaço do Monte Pedral, com 25 mil metros quadrados, dará origem a grande empreendimento de habitação de renda acessível

O presidente da Câmara do Porto pretende lançar um empreendimento habitacional de renda acessível no espaço do quartel do Monte Pedral, no centro da cidade, cuja devolução ao município é hoje aprovada pelo governo. O anúncio será feito esta quinta-feira por Rui Moreira, após a aprovação em conselho de ministros.

O quartel estava sem utilização pelas Forças Armadas e a sua cedência era uma pretensão antiga da autarquia portuense. Rui Moreira convocou para as 14.30 uma conferência de imprensa em que, sem dar a conhecer o assunto na convocatória enviada, diz que se trata " de um importante projeto para a cidade, que resulta de um acordo histórico com o Governo". De acordo com o Jornal de Notícias, Moreira irá apresentar o maior programa de habitação com arrendamento acessível do país.

O espaço do Monte Pedral tinha sido cedido ao Ministério da Guerra no início do século XX. São duas parcelas onde foi instalado um quartel de cavalaria, entre as ruas da Constituição e de Serpa Pinto. Atualmente estava sem utilização o que levou a Câmara a pedir a sua devolução.

Em novembro, o assunto foi debatido na Assembleia Municipal do Porto e foi aprovada uma moção, em que se instava o governo a devolver o espaço até ao final do ano. Rui Moreira também escreveu ao novo ministro da Defesa, João Gomes Cravinho. Nessa moção era referido que o projeto de construção pode ter até 400 habitações destinadas à classe média.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.