Autoridade da Concorrência faz buscas na Luz, CUF e Lusíadas

Em causa estão suspeitas de concertação de preços nos acordos com a ADSE. Grupos privados da saúde dizem que estão disponíveis para colaborar

A Autoridade da Concorrência (AC) está esta sexta-feira a fazer buscas em hospitais privados de norte a sul do país. CUF, Luz e Lusíadas são suspeitos de uma alegada concertação de preços nos acordos com a ADSE.

As buscas estão a ser realizadas na Grande Lisboa, Porto e Algarve, confirmou a Autoridade da Concorrência ao DN.

"A Autoridade da Concorrência (AdC) confirma a realização de diligências de busca e apreensão em oito localizações de nove entidades ativas no setor da saúde nas zonas da Grande Lisboa, Porto e Algarve por suspeitas de práticas anticoncorrenciais lesivas da liberdade de escolha do consumidor", lê-se no comunicado da AC que adianta que decretou o segredo de justiça neste processo de contraordenação para preservar os interesses da investigação.

A Autoridade da Concorrência faz ainda questão de afirmar que "a violação das regras de concorrência não só reduz o bem-estar dos consumidores, como prejudica a competitividade das empresas, penalizando a economia como um todo".

A José de Mello Saúde (CUF) confirmou "que recebeu a visita da Autoridade da Concorrência". E acrescenta: "De acordo com a sua habitual política de transparência, a José de Mello Saúde está a colaborar e a esclarecer, com total disponibilidade e serenidade, as solicitações desta entidade".

Também a Lusíadas Saúde confirmou a realização de buscas na sua sede. Mas esclarece que as diligências se centraram "exclusivamente" nas instalações onde funcionam os serviços administrativos das duas empresas - Lusíadas SA e Lusíadas SGPS, SA -, "pelo que não tiveram qualquer implicação nos serviços prestados pelos hospitais e/ou unidades de saúde" do grupo.

Por outro lado, a Lusíadas Saúde argumenta que não pode prestar mais esclarecimentos sobre o assunto porque o processo, de "natureza estritamente contraordenacional", está em segredo de justiça.

Já a Luz Saúde adianta que as buscas da Autoridade da Concorrência se realizaram na sua sede e numa das suas unidades e saúde. Também este grupo de saúde privado manifestou "total disponibilidade para colaborar de forma transparente com os pedidos dessa entidade".

Em fevereiro, os grupos privados do setor da saúde anunciaram que iam romper as convenções com o subsistema de saúde dos funcionários públicos, a ADSE. Essa suspensão estava prevista para meados de abril, mas com o decorrer das negociações entre o Governo, ADSE e os privados não chegou a avançar.

(Atualizado às 16.44 com o esclarecimento da Luz Saúde.)

Ler mais

Exclusivos