Arouca ganha Prémio Município do Ano 2018 com "Geoparque Mundial da UNESCO"

Arouca venceu o Prémio Município do Ano 2018 com o projeto "Arouca - Geoparque Mundial da UNESCO", numa iniciativa promovida pela Universidade do Minho que visa "reconhecer boas práticas" autárquicas.

O Prémio Município do Ano 2018 foi entregue, esta noite, a Arouca pelo projeto "Arouca - Geoparque Mundial da UNESCO", numa iniciativa promovida pela Universidade do Minho que visa "reconhecer boas práticas" autárquicas com impacto social, económico, cultural ou ambiental.

Em declarações à Lusa, à margem da cerimónia de entrega dos Prémios Municípios do Ano - Portugal 2018, que decorreu ao início da noite em Guimarães, no Paço dos Duques, o responsável pela plataforma UM-Cidades, que coordena o concurso, Paulo Pereira, salientou que houve "um crescimento e melhoria" dos projetos apresentados, sendo que o de Arouca se distinguiu pela "multidisciplinaridade".

"Este é um projeto que abrange a temática da valorização do território, na sequência da intervenção dos passadiços [sobre o rio Paiva], que já foi objeto de concurso anterior. O projeto procura valorizar o concelho de Arouca em temáticas como lazer, território, mas com uma forte preocupação ambiental", descreveu Paulo Pereira.

Segundo o responsável, o "Arouca - Geoparque Mundial da UNESCO" tem como "mais-valia" a grande abrangência de áreas: "É um projeto multidisciplinar, com muitas preocupações, desde a componente de intervenção no território, ao impacto na economia, mas salvaguardando a fauna e flora do território, que é uma das abordagens mais significativas", continuou.

Além do Prémio Município do Ano foram entregues mais nove distinções: a Montalegre pelo projeto "Sexta-feira 13 Noite das Bruxas (categoria Norte - menos de 20 mil habitantes), a Braga pelo "Inteligência Urbana na Mobilidade Escola - School Bus (Categoria Norte - mais de 20 mil habitantes), a Arouca pelo "Geoparque Mundial da UNESCO" (Categoria Área Metropolitana do Porto), a Idanha-a-Nova pelo "Recomeçar Idanha" (Categoria Centro - menos 20 mil habitantes), à Mealhada pelo "CATRAPIM - Festival de Artes para Crianças (Centro - mais de 20 mil habitantes).

Foram também visados os municípios de Cascais com o "MobiCascais" (Categoria Área Metropolitana de Lisboa), a Sines pelo "Festival Músicas do Mundo de Sines - 20 anos (Categoria Alentejo), a Loulé com "LOULÉ. Territórios. Memórias. Identidades" (Categoria Algarve) e a Vila Praia da Vitória pelo "Eco-restauro ecológico da Zona Húmida Costeira" (Categoria Regiões Autónomas).

"Estes projetos não são apenas no âmbito cultural, mas também abrangem a componente de valorização do território ao nível da sustentabilidade urbana, nomeadamente da mobilidade"; descreveu Paulo Pereira.

O responsável pela UM-Cidades salientou que "há uma melhoria dos projetos a concurso em relação aos anos anteriores, são projetos bem consolidados e não apenas iniciativas avulsas, isoladas para um determinado ano, têm um suporte estudado e com impacto no território".

Para Paulo Pereira, o empenho dos municípios reflete a importância dada à distinção: "Este crescimento e melhoria da qualidade dos projetos também mostra que a importância desta iniciativa, deste galardão, está a crescer", referiu.

Esta foi a quinta edição dos Prémios Município do Ano e contou com 56 candidaturas, estando nomeados projetos de 35 municípios para as nove categorias e para o grande prémio final.

O concurso "visa reconhecer as boas práticas de projetos implementados pelos municípios com impacto no território, na economia e na sociedade, promovendo o crescimento, a inclusão e a sustentabilidade".

Aquele galardão quer também "colocar na agenda a temática da territorialização do desenvolvimento, perspetivada a partir da ação das autarquias, bem como valorizar realidades diversas que incluam as cidades e os territórios de baixa densidade nas diferentes regiões do país".

A iniciativa foi ganha em 2014 pelo município de Lisboa (projeto "Há Vida na Mouraria"), em 2015 por Vila do Bispo (projeto "Festival de Observação de Aves & Atividades de Natureza"), em 2016 pelo Fundão (projeto "Academias de Código") e em 2017 por Guimarães (projeto "Pay-as-You-Throw no Centro Histórico de Guimarães").

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.