Ana Paula Martins reeleita bastonária da Ordem dos Farmacêuticos

A atual bastonária da Ordem dos Farmacêuticos, Ana Paula Martins, foi reeleita para o triénio 2019/2021 com 91,28% dos votos, naquele que é o seu segundo mandato como representante daqueles profissionais.

Ana Paula Martins apresentou-se a sufrágio liderando a única lista candidata aos órgãos nacionais, que contabilizou 3.526 votos, quase o dobro da votação registada há três anos. A votação destinou-se a eleger os órgãos nacionais, regionais e os colégios de especialidade.

De acordo com uma nota da OF, as eleições para a escolha dos novos órgãos sociais ficaram concluídas no sábado à noite com a votação presencial e a contagem dos votos por correspondência e por via eletrónica, procedimento introduzido pela primeira vez este ano. De acordo com a nota, o "voto eletrónico mereceu a preferência de 80% dos farmacêuticos que participaram no ato eleitoral".

Os resultados finais do escrutínio determinaram também a eleição dos representantes dos farmacêuticos a nível regional.

Entre as duas listas candidatas à Secção Regional do Norte, a liderada pelo atual presidente, Franklim Marques, foi a mais votada, com 998 votos (67,4%), contra 417 (28,2%) da lista encabeçada por José Luís Nicolau.

Na Secção Regional do Centro, a lista única liderada por Anabela Mascarenhas registou 611 votos, enquanto na Secção Regional do Sul e Regiões Autónomas a lista única encabeçada por Luís Lourenço, obteve com 1.471 votos.

As presidências das Delegações Regionais da Madeira e dos Açores ficam respetivamente a cargo de Tiago Magro e Ana Margarida Martins, que é reeleita.

O ato eleitoral determinou ainda a eleição dos cinco Conselhos dos Colégios de Especialidade da OF. O Conselho do Colégio de Especialidade de Farmácia Hospitalar foi o único que registou duas listas candidatas, tendo sido eleita a lista I, liderada por Paula Campos.

Segundo a nota da OF, nos restantes Colégios de Especialidade foram eleitas as listas únicas que se apresentaram a sufrágio, lideradas por Rui Pinto, no caso das Análises Clínicas e Genética Humana, por Pedro Freitas, nos Assuntos Regulamentares, Carolina Mosca, na Farmácia Comunitária, e Nuno Moreira, no Colégio de Indústria Farmacêutica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.