"A bosta da bófia." Assessor do Bloco de Esquerda ataca polícia

Mamadou Ba publicou comentário no Facebook sobre os confrontos que tiveram origem com o caso do Bairro da Jamaica. PSD responsabiliza Joana Mortágua por publicação "irresponsável" nas redes sociais

Mamadou Ba, assessor do Bloco de Esquerda (BE) na Assembleia da República e dirigente do SOS Racismo, escreveu na sua página pessoal do Facebook um texto em que fala da "violência policial" no caso do Bairro da Jamaica, no Seixal, e dos confrontos desta segunda-feira na Baixa de Lisboa, dirigiu-se à polícia como "a bosta da bófia" e atacou aquilo que considera "sermões idiotas de pseudo radicais iluminados".

Ainda assim, na publicação não identifica o destinatário da mensagem, mas deixa uma certeza: "Há malta que não percebe que a sua crença ideológica num outro modelo de sociedade, muitas vezes assente no privilégio doutrinário e não só, não salva quem todos os dias é violentado com o racismo. Portanto, fica o aviso que por estas bandas, não pastarão."

PSD responsabiliza Mortágua

O caso ganhou força quando Joana Mortágua, deputada do BE, partilhou no Facebook um vídeo com os confrontos entre a PSP e moradores do Bairro da Jamaica, no domingo, com um comentário onde falava de "violência gratuita da PSP". "4 minutos de desespero completo. 4 minutos que sintetizam a violência policial e o racismo neste país", escreveu a deputada, que garantiu que o Bloco iria "exigir responsabilidades".

Algo que mereceu uma resposta já esta segunda-feira por parte do PSD em comunicado assinado pelo presidente da concelhia de Lisboa, Paulo Ribeiro, que considera as declarações de Joana Mortágua " irresponsáveis" e que "não podem ser alheias aos distúrbios ocorridos esta tarde".

"Quem exige responsabilidades é o PSD Lisboa, mas a Joana Mortágua e ao Bloco de Esquerda, pelas declarações irresponsáveis e que não podem ser alheias aos distúrbios ocorridos esta tarde, em Lisboa, entre manifestantes e a polícia", consideram os sociais-democratas. "Num estado que se quer de direito, cabe aos políticos e aos partidos políticos defender os direitos dos todos os seus cidadãos, mas cabe-lhes de igual forma a defesa das suas instituições, nomeadamente as forças de segurança", sublinha o comunicado, publicado pelo jornal Observador.

[Notícia corrigida: Mamadou Ba era erradamente referido como presidente do SOS Racismo]

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.