Homem rega namorada de 19 anos com diluente e gasolina e pega-lhe fogo

Homem de 33 anos agrediu a namorada de 19, que foi transportada em estado grave para as urgências do Hospital de São Francisco Xavier. Agressor foi detido pela PSP do Cacém

Um homem de 33 anos regou a namorada, de 19 anos, com diluente e gasolina, tendo-lhe pegado fogo, provocando várias queimaduras no corpo, incluindo na cara, confirmou ao DN comandante dos Bombeiros Voluntários de Agualva-Cacém.

A vítima, em "estado grave", foi entubada com o apoio dos profissionais da Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) do Hospital Amadora-Sintra e depois transportada para as urgências do Hospital de São Francisco Xavier, em Lisboa. Entretanto, já terá sido transferida para a unidade de queimados do Hospital de Coimbra.

O agressor foi detido pela Polícia de Segurança Pública (PSP) do Cacém. "É suspeito de ter deitado sobre a sua namorada, de 19 anos de idade, enquanto a mesma dormia, um líquido inflamável e ateado fogo de seguida, tendo provocado lesões na face e mãos, afetando gravemente as vias aéreas, pelo que foi a mesma transportada para o Hospital São francisco Xavier, em Lisboa", confirma um comunicado do Comando Metropolitano de Lisboa.

O incidente ocorreu à 1.00 da madrugada desta quarta-feira, na rua da Hera, em Agualva-Cacém, após o homem ter chegado a casa.

"Após diligências investigatórias imediatas, desencadeadas num quadro de absoluta urgência face aos perigos que emanavam do cenário retratado, foi possível intercetar o suspeito nas imediações do local de ocorrência, encontrando-se deitado no solo a tentar passar despercebido aos polícias da PSP. De realçar que o mesmo não prestou qualquer assistência à vítima tendo abandonado o local sem contactar qualquer meio de socorro", acrescenta a nota da PSP.

O detido vai ser presente no Tribunal Judicial de Sintra, para 1.º Interrogatório Judicial e consequente aplicação de medidas de coação.

De acordo com uma porta-voz da PSP, o casal tinha uma relação há cerca de cinco anos e já se tinham registado dois episódios de violência doméstica. A vítima estava institucionalizada, pelo que os dois não viviam juntos. O motivo da discussão ainda não foi apurado, muito por culpa do estado de saúde da vítima, que pediu ajuda aos vizinhos.

Mais detenções por violência doméstica

Até novembro de 2019 as forças de segurança - PSP e GNR - efetuaram mais detenções por violência doméstica do que nos doze meses do ano anterior. Ao todo, foram detidas 844 pessoas por este tipo de crime quando em 2018 se ficou por 803 - a PSP deteve 621 e a GNR 223. Um aumento de 5% mesmo quando ainda falta um mês para terminar as contas do ano que agora passou.

Em 2019, o Observatório das Mulheres Assassinadas da UMAR concluiu, pelas notícias publicadas em jornais, que foram mortas 30 mulheres, no âmbito das suas relações íntimas e familiares. Registaram-se mais dois femicídios em outros contextos, mas neste caso os dados reportam apenas a 12 de novembro. Neste período houve também 27 tentativas de femicídio.

As 30 mulheres mortas em contexto de violência doméstica até ao final do ano - segundo Sónia Soares, daquele Observatório - deixaram órfãs 18 crianças menores.

"É urgente o reforço da prevenção e do apoio às vítimas de crimes violentos, em especial a violência doméstica - essa guerra silenciosa - que figura em primeiro plano nos números dos crimes contra a vida e que afeta maioritariamente mulheres e crianças", afirmou recentemente a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, sublinhando a importância desta resposta ser articulada entre o Estado e as organizações não-governamentais de apoio às vítimas.

[Notícia atualizada às 10:49 com informações da PSP]

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG