Descodificação da Enigma apanhou espião português na II Guerra. E foi um problema para a diplomacia

Gastão Ferraz trabalhava na Marconi, chateou-se e alistou-se no navio-hospital Gil Eanes como radiotelegrafista. Aliciado pelos alemães para espiar os Aliados, preparava-se para passar informação ultrassecreta. Mas o código da Enigma acabava de ser descodificado e foi apanhado.

Chamava-se Gastão Crawford de Freitas Ferraz, era natural do Funchal, e trabalhava em Lisboa, na Marconi. Teve problemas com a empresa e alistou-se no navio-hospital Gil Eanes, onde era um dos dois radiotelegrafistas a bordo. Aliciado pelos alemães para espiar os Aliados, o português teve uma curta carreira como espião: foi apanhado graças a Alan Turing, o génio matemático que descodificou o código secreto dos alemães (e é agora o novo rosto das notas de 50 libras).

O navio-hospital Gil Eanes tinha como missão dar apoio aos bacalhoeiros que pescavam na Terra Nova, Canadá. E foi para esse fim que Gastão Ferraz foi contratado. Mas antes de partir foi aliciado por um agente do Eixo (Alemanha, Japão e Itália), Fernando Sepúlveda Rodrigues, que o pôs em contacto com o agente alemão Ernest Schmidt.

Conta José António Barreiros, advogado com obra publicada sobre a espionagem durante a II Guerra Mundial, que Ernest Schmidt era uma personagem relevante de espionagem naval em Lisboa, com casa na Estrada das Laranjeiras, junto a Sete Rios. Ofereceu-lhe uma verba de 1500 escudos mensais, quatro vezes mais do que o salário médio em Portugal na altura (Fernando Rosas, "Dicionário da História de Portugal") para enviar informações sobre as movimentações navais dos Aliados na Terra Nova.

Gastão Ferraz não terá sido espião durante muito tempo. Há muito que os britânicos tentavam descodificar as mensagens nazis, encriptadas na Enigma. Fizeram-no a partir do trabalho desenvolvido pelos polacos, posteriormente eram os criptógrafos polacos que levavam as mensagens para a unidade de codificação de Bletchley Park, em Inglaterra. E foi aí que o cientista e matemático britânico Alan Turing e a sua equipa acabaram por descobrir os códigos nazis. E o português acabou por ser desmascarado.

Informação ultrassecreta

"A sua localização foi concebida graças à radio-escuta das comunicações alemãs, que apesar de criptografadas pela máquina Enigma, foram descodificadas em Bletchley Park por uma equipa de que o mais proeminente elemento foi Alan Turing. Tratava-se de informação de tal modo secreta que a sua fonte era indicada nos documentos que se produzissem como ULTRA", explica José António Barreiros ao DN. Ainda houve trabalho para se perceber qual dos dois radiotelegrafistas passava a informação, acabando a investigação por se centrar em Gastão Ferraz.

Os serviços secretos britânicos foram alertados e, através da Royal Navy, efetuaram a detenção em alto mar. Barreiros cita um relatório da PIDE de 18 de janeiro de 1943, dizendo que Ferraz foi retirado do navio em Freetown (Canadá) a 1 de novembro de 1942, com a nota: «ignora-se para onde foi conduzido».

Uma das informações ultrassecretas era sobre a Operação Torch, denunciando que as tropas britânicas e norte-americanas sob o comando do general George S. Patton se preparavam para invadir Marrocos e Argélia. A invasão concretizou-se a 8 de novembro, uma semana depois da detenção do português. O que indica que a história teria sido outra se tivesse continuado a atividade, uma vez que a Terra Nova - por onde se fazia a ligação da Europa com a América -, era uma zona estratégica do ponto de vista militar.

A atividade de Gastão Crawford de Freitas Ferraz é relatada no livro do jornalista Rui Araújo, "O diário secreto que Salazar nunca leu", publicado em outubro de 2008. Cinco meses depois, os Arquivos Nacionais do Reino Unido divulgam ficheiros secretos da II Guerra Mundial, incluindo os que revelavam a participação de Gastão Ferraz.

"Os ficheiros secretos britânicos, agora revelados, dão conta de como o operador de rádio do navio-hospital Gil Eanes, de apoio à pesca do bacalhau, foi apanhado em alto mar antes de conseguir avisar a Alemanha de que uma frota aliada se preparava para invadir o Norte de África", escreve o DN a 4 de março de 2009.

Acrescenta: "As forças alemãs - ao contrário das francesas que foram rapidamente dominadas - sob o comando do general Erwin Rommel (também conhecido como a Raposa do Deserto), resistiram aos Aliados. Só em 1943 e após violentas batalhas no deserto, os alemães foram derrotados. Tratou-se de um momento de viragem na guerra que ajudou nos planos para a invasão do Dia D, em 1944". Informação que é corroborada por Christopher Andrew, da Universidade de Cambridge. Considerou o historiador que o ficheiro de Ferraz "muda o entendimento da história britânica" e fornece informação nova dos serviços secretos do país na luta contra os nazis.

Portugal e a neutralidade

Os serviços secretos suspeitaram do "comportamento anormal" de navios de pesca portugueses, incluindo alguns com equipamento de comunicações elaborados. Segundo os ficheiros secretos britânicos, Ferraz foi levado para Gibraltar e depois para o Reino Unido, onde foi interrogado. Três anos depois, foi deportado para Portugal e, em 1953, Londres retirou-o da lista que o impedia de entrar no país.

No interrogatório, foi confrontado com as suas ligações ao agente alemão Kuno Weltzien, representante da empresa Krupp em Portugal e que se dedicava à espionagem. Segundo os serviços secretos britânicos, Ferraz acabou por confessar essas ligações, bem como o facto de ter passado informações sobre a atividade naval na Terra Nova.

No entanto, a notícia da chegada de Gastão Ferraz a Lisboa, publicada do Diário de Notícias de 17 de setembro de 1945, referia que o radiotelegrafista disse nada se ter provado. Deixou Londres num avião da KLM, juntamente com outros três portugueses, todos os quatro detidos num campo de concentração em Inglaterra. Os outros três eram acusados de transporte de correspondência clandestina.

A sua detenção causou problemas às tropas do Eixo, mas também ao governo português, que proclamava a sua neutralidade perante o conflito. Explica José António Barreiros: "O caso colocou complexos problemas diplomáticos devido à neutralidade portuguesa e à proteção de que gozava a frota bacalhoeira portuguesa. Ademais, os ingleses tiveram que ocultar a fonte de informação que levou à sua localização, a quebra da cifra alemã, o mais bem guardado segredo da guerra. E não havia evidência material que provasse a sua conduta pois tivera o cuidado de se livrar do livro de código através do qual codificava as mensagens que enviava através do sistema radiotelegráfico do navio".

Para combater a Enigma Alan Turing inventou a Bomba, equipamento eletromecânico utilizado pelos criptologistas para a descodificação das mensagens secretas alemãs.

A Enigma foi inventada pelo engenheiro alemão Arthur Scherbius, que registou a patente em 1918. Inicialmente, era utilizada nas mensagens comerciais, acabando por usada para fins militares, nas comunicações terrestres e marítimas. Muito parecida a uma máquina de escrever, na configuração e no peso, foi evoluindo e teve vários modelos.

O primeiro navio-hospital Gil Eanes (onde Gastão Ferraz esteve) era um Lahneck, construído pelos alemães. Foi apreendido na sequência da entrada de Portugal na I Guerra Mundial e, posteriormente, adaptado a navio-hospital nos Países Baixos. Em 1927, zarpa para a Gronelândia e Terra Nova, para apoiar os portugueses da pesca do bacalhau. Em 1955, é substituído por uma nova embarcação, homónima, construída nos Estaleiros Navais de Viana do Castelo. Este navio deixou de estar ativo em 1973 e está ancorado em Viana do Castelo com a função de espaço museológico e Pousada da Juventude.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

É o que dá prometer nacionalizar tudo o que mexe

A chegada de Jeremy Corbyn à liderança do Partido Trabalhista foi saudada como uma espécie de feliz regresso às origens, aos ideais fundacionais, à verdadeira esquerda. Tanto mais que essa vitória se fez contra as principais figuras do partido, enfrentando o chamado sistema, amparado num discurso profundamente desconfiado da economia de mercado e próximo de experiências socialistas ou comunistas. Nessa narrativa, que se popularizou, Blair representava o abastardamento desses ideais, uma espécie de esquerda vendida, incapaz de resistir aos vis interesses do capitalismo. Já Corbyn, claro, representava a esquerda autêntica, a preocupada com os mais vulneráveis, e por isso capaz de mobilizar toda aquela jovem militância que transvasava para o partido vinda das redes sociais. E à medida que Corbyn foi resistindo aos ataques do chamado baronato do partido, e não o levando ao colapso eleitoral que os barões afiançavam, a narrativa foi ganhando adeptos na opinião publicada e nas redes sociais politizadas, como que confirmando a ideia de que o centro moderado estava morto, enterrado, que o velho socialismo era o novo socialismo, o único capaz de mobilizar a juventude e as massas, o exemplo a seguir. Diga-se que esta ideia de moderação morta e enterrada não se quedou pelos trabalhistas ingleses nem sequer pela esquerda inglesa. Vários partidos socialistas europeus andam com entusiasmos ou ânimos semelhantes (França, Espanha e Portugal são exemplos), como à direita anda muita gente a defender o mesmo (Espanha e Portugal são exemplos também). Mas eis que o colapso eleitoral chegou, e com estrondo. Um resultado ainda pior do que o sofrido por Foot e Kninock, perdendo bastiões que eram seus há décadas. É o que dá defender nacionalizações de tudo e mais alguma coisa e propor um manifesto próprio da esquerda sul-americana. É o que dá confundir indignação com razão, radicalismo com determinação, emoção com inspiração, tudo embalado pelas redes sociais politizadas, dominadas por elites urbanas deslocadas das principais preocupações das pessoas. Mas se o centro não morreu, se a moderação está viva e de boa saúde, como explicar que Boris Johnson, tomado por cá como uma espécie de Trump, como uma direita pouco moderada, tenha tido uma vitória esmagadora? Convém ir além da forma e do estilo e conhecer não só o trajeto executivo de Boris na Câmara de Londres como também o seu manifesto para estas eleições. Conhecendo-o, vejo poucas razões para a direita que desdenha a moderação andar a celebrar esta vitória. Boris funda o seu manifesto numa adesão à economia de mercado e à democracia liberal pouco compatível com os críticos da globalização e da livre circulação, e exalta um cosmopolitismo e um liberalismo social que costumam arrepiar quem acha que isso é marxismo cultural.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Contas certas com prioridades certas

Cada vez mais, ouvimos dizer que o vínculo entre os cidadãos e a vida política é, hoje em dia, menos pleno do que antes. Rui Rio, esta semana, falou até de um "divórcio entre a sociedade e os partidos". Percebe-se o recurso a esta metáfora por parte do PSD, devido ao seu clima interno de discórdia. No entanto, constatar o afastamento não basta e não nos isenta. Há também que refletir sobre o conceito de "democracia de proximidade" de que tanto falamos e do que isso significa. O que é - de facto - uma democracia de proximidade? Em primeiro lugar, é a democracia próxima dos problemas e anseios dos cidadãos. Basta olhar para a esfera pública para perceber que se exige cada vez mais à democracia que seja capaz de resolver problemas reais e estruturais.