Cristina volta à TVI como acionista. SIC "reserva todos os seus direitos"

Apresentadora volta à estação de Queluz quase dois anos depois

Cristina Ferreira está de regresso à Media Capital, como diretora de entretenimento e ficção, e vai comprar uma participação no grupo dono da TVI.

A apresentadora entra em funções em setembro.

"Trata-se de um regresso à casa mãe, com funções distintas e um projeto ambicioso ao qual era impossível dizer que não. É uma escolha conduzida pelo afecto com a firme vontade de contribuir para recolocar a TVI no coração de todos os portugueses", diz a apresentadora em comunicado.

"Neste momento de saída, não posso deixar de agradecer à SIC, à sua Administração, a oportunidade que me foi concedida e a possibilidade de trabalhar com profissionais de excepção. O meu muito obrigada a todos. A SIC é uma estação de televisão de referência, onde fui muito bem acolhida e para a qual formulo votos de maior sucesso profissional para o futuro", disse ainda.

A apresentadora regressa à estação de Queluz também como futura acionista, já que manifestou a sua intenção de comprar uma participação na Media Capital.

Mudanças na liderança da Media Capital e TVI

O anúncio do regresso surge na mesma semana que na Media Capital se tem assistido a mudanças na estrutura de liderança de topo. O CEO Luís Cabral renunciou ao cargo, tendo sido substituído por Manuel Alves Monteiro - desde abril administrador não executivo e considerado próximo do acionista Mário Ferreira, pois é vogal da Mystic River, empresa controlada pelo empresário. Além disso, registou-se a subida de Nuno Santos, até aqui diretor de programas da TVI, à direção-geral da estação. Isto seis dias depois de Sérgio Figueiredo ter saído da direção de informação.

Mudanças que o Correio da Manhã (diário da Cofina que veio esta sexta-feira confirmar que continua interessado na compra da dona da TVI) atribui à Purvis de Mário Ferreira, que detém 30% da Media Capital. E questionou a ERC sobre o tema, o que motivou um desmentido da Media Capital e pedido de direito de resposta.

A ERC admite estar a analisar o caso e esta sexta-feira emitiu um comunicado. "Tendo tomado conhecimento de mudanças relevantes na estrutura da TVI", o regulador "está a avaliar o âmbito das mesmas e eventual configuração de nova posição". "Em análise está a eventual alteração não autorizada de domínio, que envolve responsabilidade contraordenacional e pode dar origem à suspensão de licença ou responsabilidade criminal, tendo em conta o artigo 72.º da Lei da Televisão e dos Serviços Audiovisuais a Pedido", avisa a ERC.

SIC lamenta "decisão abrupta e surpreendente"

Em comunicado, "a SIC lamenta a decisão abrupta e surpreendente, mas apesar da desilusão, quer agradecer o trabalho de Cristina Ferreira desenvolvido ao longo deste curto mas intenso período, no seio de uma equipa vencedora, que continuará a empenhar o seu talento e profissionalismo para merecer a confiança do público".

A nota revela que a apresenta decidiu cessar unilateralmente o contrato que a vinculava à estação até 30 de novembro de 2022. "A SIC informa ainda que reserva todos os seus direitos em face desta situação", pode ler-se.

A mudança de Cristina Ferreira da TVI para a SIC foi anunciada a 22 de agosto de 2018 e colocou um ponto final a uma ligação de 16 anos.

Na SIC, a apresentadora assumiu o comando de um novo programa das manhãs, O Programa da Cristina, e o cargo de Consultora Executiva da Direção-Geral de Entretenimento.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG