Calor não abranda. Termómetros quinta e sexta-feira vão até aos 42º

Todo o país irá registar temperaturas elevadas, com o Alentejo e o Ribatejo a terem previsões de máximas acima dos 40º C. Só no sábado é que o calor diminui um pouco.

A onda de calor que está a atingir Portugal irá ter o seu pico na quinta e sexta-feira. As temperaturas, que têm andado sempre acima dos 30 graus, vão subir ainda com regiões como Alentejo, Ribatejo e parte da Estremadura a poderem registar valores de temperatura máxima na ordem dos 40/42 graus Celsius., de acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

As noites dos próximos dias vão ser também muito quentes. "A temperatura mínima apresenta tendência para uma subida gradual, com valores que deverão variar entre 20 e 25°C em grande parte do território continental, em especial nos dias 16 e 17 [quinta e sexta], e que são classificadas como noites tropicais" alertou o IPMA em comunicado.

Se esta quarta-feira o tempo quente já leva o IPMA a colocar todo o continente em aviso amarelo, amanhã e sexta-feira a previsão meteorológica tem oito distritos com aviso laranja. O distrito de Lisboa tem uma máxima prevista de 37º e uma mínima de 25º.

"Tempo quente com céu pouco nublado ou limpo. Vento por vezes forte no litoral Norte e Centro e nas terras altas" é a previsão do IPMA para quinta e sexta-feira, o que causa preocupação a nível do combate a fogos florestais já que estão reunidas as condições para a existência de incêndios, com o tempo quente, com ventos fortes e ainda trovoadas secas.

A partir de sábado, avança o IPMA, irá verificar-se "uma pequena descida de temperatura, em especial da máxima e nos distritos do litoral".

Na origem desta onda de calor, está um "anticiclone localizado a nordeste dos Açores, que se estende em crista até ao Golfo da Biscaia, em conjunto com um vale depressionário desde o norte de África até à Península Ibérica", o que "origina o transporte de uma massa de ar quente do norte de África a qual será responsável pela persistência de valores elevados de temperatura", diz o instituto de meteorologia.

Conselhos

Neste cenário, a Proteção Civil está em alerta perante a possibilidade de fogos florestais e a Direção-Geral de Saúde avisou que se devem tomar as precauções básicas, recordando que existem quatro grandes grupos que acabam por estar mais vulneráveis: as crianças, idosos, mulheres grávidas e doentes crónicos.

A responsável da DGS Graça Freitas apontou algumas "medidas básicas" tais como beber água ou sumos de fruta naturais sem açúcar, salientando que é necessário beber mesmo que não haja a sensação de sede, ou usar roupa larga e fresca, chapéu e óculos de sol.

As refeições devem ser frias e leves e devem ser várias vezes ao dia e as pessoas devem permanecer durante duas ou três horas em ambientes frescos, porque "o corpo tem mecanismos de regulação térmicas mas precisa de ajuda", alertou.

Evitar demasiados esforços físicos e não estar ao sol nas horas de maior calor foram outras das recomendações deixadas hoje pela DGS, que voltou a lembrar os números para os quais as pessoas devem ligar caso se sintam mal: 112 ou para o 808242424, do SNS24.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG