Ambulâncias recusadas no Hospital de Setúbal por sobrelotação nas urgências

Urgências não receberam ambulâncias entre as 12.00 e as 16.30 deste domingo. Doentes foram encaminhados para outros hospitais.

O Hospital de São Bernardo, em Setúbal, não recebeu ambulâncias durante a tarde de domingo, obrigando a que os doentes fossem transportados para outros hospitais da região. Em causa esteve a sobrelotação do serviço de urgências, que se viu impedido de receber mais pessoas.

Segundo o Jornal de Notícias, a medida foi comunicada aos bombeiros ao meio dia, estando previsto manter-se até às 08.00 desta segunda-feira. No entanto, serviço voltou a aceitar as ambulâncias com doentes urgentes por volta das 16.30.

Contactada pelo JN, fonte do Centro Hospitalar de Setúbal confirmou que "verificou-se um constrangimento pontual", e pelas 16.30 horas "o serviço voltou a funcionar normalmente".

Já os bombeiros de Águas de Moura e os de Palmela disseram ter ficado surpreendidos por esta decisão ter sido apenas tomada este domingo, uma vez que os constrangimentos se têm verificado ao longo desta semana.

De acordo com o comandante dos Bombeiros de Palmela, Eduardo Martins, "tem sido hábito as ambulâncias ficarem retidas no hospital por falta de escoamento dos doentes que entram nas macas".

O comandante dos Bombeiros de Águas de Moura, Rui Laranjeira, adiantou ainda que "os serviços que deviam demorar uma hora têm demorado duas a três horas", pois as ambulâncias só podem sair do hospital com as macas que levam os doentes.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.