Período de Adaptação

Os mais distraídos podem não ter reparado, mas nos intervalos das conferências de imprensa de Bruno de Carvalho têm passado alguns anúncios que dão conta do arranque do Mundial.

Este é ainda um período de adaptação. Nem me refiro aos atletas, mas a nós, adeptos, que temos de organizar a vida de forma a podermos ver um Egito-Uruguai à hora de almoço e reformatar o cérebro para torcer por jogadores que antes insultámos. Temo gritar, a meio de um jogo, "é vermelho para o Rúben Dias". Mas isto passa, e rapidamente estarei pronta a jurar ao Gelson "cu bo ti fim de mundo", mesmo sabendo que ele é jogador do... Benfica(!?).

Também Gelson e companhia estão a adaptar-se à nova condição de desempregados (se souberem de algum biscate, avisem) e Cristiano a habituar-se à ideia de ser, até ver, subordinado de Lopetegui.

Já a adaptação à Rússia acredito que seja fácil. Ao contrário do que aconteceu no último Mundial, não há problemas de humidade. Se perdermos não podemos citar Henrique Jones e culpar o "índice de suspeição lesional" (sempre achei que isto dava um grande título para uma série da Daniela Ruah). Teremos de pensar noutra desculpa. Ah, sim, esqueci-me de avisar: sou pessimista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.