Período de Adaptação

Os mais distraídos podem não ter reparado, mas nos intervalos das conferências de imprensa de Bruno de Carvalho têm passado alguns anúncios que dão conta do arranque do Mundial.

Este é ainda um período de adaptação. Nem me refiro aos atletas, mas a nós, adeptos, que temos de organizar a vida de forma a podermos ver um Egito-Uruguai à hora de almoço e reformatar o cérebro para torcer por jogadores que antes insultámos. Temo gritar, a meio de um jogo, "é vermelho para o Rúben Dias". Mas isto passa, e rapidamente estarei pronta a jurar ao Gelson "cu bo ti fim de mundo", mesmo sabendo que ele é jogador do... Benfica(!?).

Também Gelson e companhia estão a adaptar-se à nova condição de desempregados (se souberem de algum biscate, avisem) e Cristiano a habituar-se à ideia de ser, até ver, subordinado de Lopetegui.

Já a adaptação à Rússia acredito que seja fácil. Ao contrário do que aconteceu no último Mundial, não há problemas de humidade. Se perdermos não podemos citar Henrique Jones e culpar o "índice de suspeição lesional" (sempre achei que isto dava um grande título para uma série da Daniela Ruah). Teremos de pensar noutra desculpa. Ah, sim, esqueci-me de avisar: sou pessimista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.