Salvar a Primavera

Os atuais protestos na Tunísia, sete anos depois do início ali da Primavera Árabe, têm uma razão de ser: boa parte da população está insatisfeita com o aumento do custo de vida e culpa disso o governo; sobretudo as regiões mais pobres não só exigem mais apoios públicos como contestam as medidas de austeridade que ameaçam tornar a sua existência ainda mais complicada. E mesmo o litoral tunisino, mais próspero tradicionalmente por causa do turismo, se queixa de uma economia incapaz de descolar apesar das promessas que se seguiram à partida em janeiro de 2011 para o exílio de Ben Ali, o homem forte durante mais de duas décadas.

Parece que o FMI está envolvido e que, de facto, só uma redução do funcionalismo público e dos subsídios permitirá à economia da Tunísia aproveitar eficazmente o seu tecido industrial, bem posicionado para exportar para a União Europeia. Mas não estamos a falar de um país qualquer, de um país que andou a adiar reformas estruturais ou a viver acima das possibilidades. A Tunísia tem de ser vista a outra luz. Trata-se sim do único caso de verdadeiro sucesso da Primavera Árabe, uma sociedade que tem insistido na via da democracia apesar das tensões internas entre laicos e islamitas e da ameaça externa, sobretudo o terror jihadista e as ameaças vindas da vizinha Líbia, onde a Muammar Kadhafi sucedeu o caos.

Graças à sua história, onde se distingue Cartago mas também o brilhantismo islâmico simbolizado por Kairouan, graças a Habib Burguiba, o pai da independência em 1956, e em parte também, admita-se, graças a esse Ben Ali que mesmo autoritário nunca deixou de querer uma sociedade moderna e as mulheres emancipadas, a Tunísia é um país que teima em desmentir as ideias feitas sobre o mundo árabe-muçulmano. É importante que a Europa perceba isso e vá em seu auxílio. Há valores mais altos do que as finanças públicas, dinheiros que serão mais bem investidos a desenvolver um país do que, depois, a tentar minimizar aquilo que correu mal nele porque estávamos distraídos. A Tunísia merece a nossa solidariedade. É preciso salvar o que resta da Primavera Árabe.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.