Trump diz que "risco" do vírus para os EUA "é muito baixo" por causa das suas medidas

O presidente dos EUA fez um balanço do combate à epidemia e realçou as duas decisões de proibir a entrada de pessoas provenientes da China como decisivas. Mike Pence vai coordenar a resposta americana ao surto.

O presidente dos EUA, Donald Trump, disse esta quarta-feira que o risco para o povo americano do novo coronavírus é "muito baixo", devido às ações tomadas pelo seu governo, como as restrições de viagens a pessoas que chegassem da China, decretadas há duas semanas.

"Por tudo o que fizemos, o risco para o povo americano permanece muito baixo", disse Trump, acrescentando que as suas decisões foram "ridicularizadas" no início.

Questionado se colocava a hipótese de implementar restrições a pessoas originárias de países onde o COVID-19 tem atacado mais forte nos últimos dias, como a Coreia do Sul ou Itália, atirou uma decisão para mais tarde. "Para já não vamos falar disso. Mas vamos ver o que acontece", respondeu.

"A Coreia do Sul foi atingida com muita força, na Itália está a ser bem difícil, na China é óbvio o que aconteceu, mas o número parece estar estabilizar-se e a diminuir na China, o que é uma notícia muito boa. Vamos ver o que acontece."

Da mesma forma, Trump disse, que em caso de expansão de casos, os EUA saberiam dar uma resposta como a China - quarentena de cidades inteiras - e que estão preparados para o pior cenário. "Mas não acredito que isso venha a acontecer. Estamos bem preparados, as nossas fronteiras bem controladas."

"Gastar o que for preciso"

Além disso, o presidente dos EUA prometeu gastar o que for apropriado para responder ao novo coronavírus. O governo solicitou ao Congresso um total de 2,5 mil milhões de dólares em financiamento para desenvolver tratamentos, vacinas e manter o stock nacional de equipamentos essenciais, mas Trump disse que ficaria feliz em gastar mais se for "oferecido" pelos democratas.

"Estávamos a pedir 2,5 mil milhões, e achamos que é muito, mas penso que os democratas e o senador Schumer querem que tenhamos muito mais do que isso. Se for assim, digo que vamos aceitar", afirmou.

​​​​​​Para já, os EUA ordenaram a aquisição de "muitas" máscaras para lidar com um possível surto, disse o presidente. "Podemos não precisar", disse a um jornalista. "Estamos a analisar o pior cenário possível, mas não deve ser necessário, temos tudo sob controlo. Os voose as fronteiras estão muito controlados."

Quanto ao financiamento, falou para os Democratas. "Vamos gastar o que for apropriado, fazer o que quiserem", acrescentou Trump, que nomeou o vice Mike Pence como coordenador da task-force nacional de combate ao coronavírus. "Mike irá trabalhar com os profissionais e médicos e com todos os outros que irão integrar a equipa", disse o presidente norte-americano.

Trump disse ainda que os especialistas norte-americanos estão a trabalhar numa vacina. "Temos os melhores do Mundo. Podemos desenvolvê-la rapidamente", garantiu.

Na conferência de imprensa, Anne Schuchat, vice-diretora principal do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças dos EUA, disse que os EUA devem esperar mais casos de coronavírus. "A nossa estratégia agressiva de contenção nos Estados Unidos tem funcionado e é responsável pelos baixos níveis de casos que temos até agora. No entanto, esperamos mais casos. E este é um bom momento para preparar-nos", disse.

O secretário de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, Alex Azar, disse que o coronavírus representa um risco baixo para o público americano. "O risco imediato para o público americano era e continua a ser baixo."

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG