Sondagem dá vitória ao PSOE. Possível maioria só com o Podemos

O macrobarómetro do Centro de Investigações Sociológicas deixa eventual aliança a três à direita longe da maioria necessária para governar.

O PSOE de Pedro Sánchez será o vencedor das eleições de 28 de abril em Espanha com 30,2%, mais 13 pontos percentuais que o Partido Popular de Pablo Casado, conseguindo no melhor cenário alcançar uma maioria absoluta apenas com o Unidas Podemos, de Pablo Iglesias, que tem 13,9% das intenções de voto. A previsão é do macrobarómetro do Centro de Investigações Sociológicas (CIS), divulgado esta terça-feira.

No estudo, os 30,3% de votos do PSOE traduzem-se entre 123 e 138 lugares no Congresso de Deputados (total de 350). Já os 17,2% do PP serão suficientes para eleger entre 66 e 76 deputados. Em terceiro lugar na sondagem surge o Ciudadanos, com 13,6% e entre 43 e 51 deputados. A coligação Unidas Podemos tem 12,3% e entre 28 e 34 deputados, mas se contarmos com todas as suas alianças regionais, como o En Comú Podem ou o Compromís, pode conquistar mais nove deputados.

No melhor cenário, PSOE e Unidas Podemos consegue a maioria no Congresso. Pedro Sánchez poderá também fazer um pacto com o Ciudadanos, de Albert Rivera, à semelhança do que fez em fevereiro de 2016, após as eleições de dezembro de 2015

A sondagem do CIS coloca o bloco da direita longe da maioria. Às percentagem do PP e Ciudadanos soma-se a do VOX, de extrema-direita, de 11,9% e uma estimativa de entre 29 e 37 deputados. No melhor cenário, ficam com 168 deputados (incluindo os dois que pode eleger a coligação Navarra Suma, aliada do PP e Ciudadanos).

Neste macrobarómetro do CIS foram feitas 16194 entrevistas em toda a Espanha, de 1 a 18 de março, e foram usados "coeficientes de ponderação" para apontar resultados, ao contrário do que tem acontecido nos barómetros mensais desde que José Félix Tezanos assumiu a direção (o que tem gerado inúmeras críticas).

Independentistas catalães

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, antecipou as eleições gerais para 28 de abril depois de não ter conseguido que os independentistas catalães aprovassem o seu orçamento de Estado para 2019. Dependente dos catalães para governar, optou por convocar novas eleições. Segundo estes resultados, poderá nem precisar deles.

Na Catalunha, a sondagem aponta para uma grande vitória da Esquerda Republicana da Catalunha (ERC), do detido Oriol Junqueras, que poderia passar dos atuais nove deputados no Congresso espanhol para 17 ou 18. Parte dessa conquista será às custas do Partido Democrata Europeu Catalão (PdeCAT), do ex-presidente da Generalitat Carles Puigdemont (autoexilado na Bélgica), que concorre dentro da coligação Junts per Catalunya e passaria dos oito atuais deputados da predecessora Convergência para quatro ou cinco.

O Partido Socialista Catalão elegeria entre 12 e 14 deputados, podendo tal como a ERC duplicar o resultado de 2016. Essa subida é feita às custas do En Comú Podem, que podia perder cinco deputados e ficar só com entre cinco e sete. O Ciudadanos perde um deputado na Catalunha segundo esta sondagem, passando de cinco para quatro. Já o PP passa dos seis para dois. E o VOX pode conseguir eleger três deputados nesta região.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...