Sondagem dá vitória ao PSOE. Possível maioria só com o Podemos

O macrobarómetro do Centro de Investigações Sociológicas deixa eventual aliança a três à direita longe da maioria necessária para governar.

O PSOE de Pedro Sánchez será o vencedor das eleições de 28 de abril em Espanha com 30,2%, mais 13 pontos percentuais que o Partido Popular de Pablo Casado, conseguindo no melhor cenário alcançar uma maioria absoluta apenas com o Unidas Podemos, de Pablo Iglesias, que tem 13,9% das intenções de voto. A previsão é do macrobarómetro do Centro de Investigações Sociológicas (CIS), divulgado esta terça-feira.

No estudo, os 30,3% de votos do PSOE traduzem-se entre 123 e 138 lugares no Congresso de Deputados (total de 350). Já os 17,2% do PP serão suficientes para eleger entre 66 e 76 deputados. Em terceiro lugar na sondagem surge o Ciudadanos, com 13,6% e entre 43 e 51 deputados. A coligação Unidas Podemos tem 12,3% e entre 28 e 34 deputados, mas se contarmos com todas as suas alianças regionais, como o En Comú Podem ou o Compromís, pode conquistar mais nove deputados.

No melhor cenário, PSOE e Unidas Podemos consegue a maioria no Congresso. Pedro Sánchez poderá também fazer um pacto com o Ciudadanos, de Albert Rivera, à semelhança do que fez em fevereiro de 2016, após as eleições de dezembro de 2015

A sondagem do CIS coloca o bloco da direita longe da maioria. Às percentagem do PP e Ciudadanos soma-se a do VOX, de extrema-direita, de 11,9% e uma estimativa de entre 29 e 37 deputados. No melhor cenário, ficam com 168 deputados (incluindo os dois que pode eleger a coligação Navarra Suma, aliada do PP e Ciudadanos).

Neste macrobarómetro do CIS foram feitas 16194 entrevistas em toda a Espanha, de 1 a 18 de março, e foram usados "coeficientes de ponderação" para apontar resultados, ao contrário do que tem acontecido nos barómetros mensais desde que José Félix Tezanos assumiu a direção (o que tem gerado inúmeras críticas).

Independentistas catalães

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, antecipou as eleições gerais para 28 de abril depois de não ter conseguido que os independentistas catalães aprovassem o seu orçamento de Estado para 2019. Dependente dos catalães para governar, optou por convocar novas eleições. Segundo estes resultados, poderá nem precisar deles.

Na Catalunha, a sondagem aponta para uma grande vitória da Esquerda Republicana da Catalunha (ERC), do detido Oriol Junqueras, que poderia passar dos atuais nove deputados no Congresso espanhol para 17 ou 18. Parte dessa conquista será às custas do Partido Democrata Europeu Catalão (PdeCAT), do ex-presidente da Generalitat Carles Puigdemont (autoexilado na Bélgica), que concorre dentro da coligação Junts per Catalunya e passaria dos oito atuais deputados da predecessora Convergência para quatro ou cinco.

O Partido Socialista Catalão elegeria entre 12 e 14 deputados, podendo tal como a ERC duplicar o resultado de 2016. Essa subida é feita às custas do En Comú Podem, que podia perder cinco deputados e ficar só com entre cinco e sete. O Ciudadanos perde um deputado na Catalunha segundo esta sondagem, passando de cinco para quatro. Já o PP passa dos seis para dois. E o VOX pode conseguir eleger três deputados nesta região.

Exclusivos