EUA admitem ação militar contra Coreia do Norte

"Nós não queremos que as coisas cheguem a um conflito militar", disse o secretário de Estado, mas essa opção poderá "ficar em cima da mesa"

Uma ação militar dos Estados Unidos contra o regime de Pyongyang é "uma opção que está em cima da mesa", disse hoje o secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson após visitar a zona desmilitarizada que divide a península coreana.

"Nós não queremos que as coisas cheguem a um conflito militar", disse Tillerson acrescentando que se a Coreia do Norte incrementar "as ameaças", as opções passam a ser militares.

"Se eles [Coreia do Norte] elevarem a ameaça através do programa de armamento a um nível que, acreditamos, pode obrigar a uma ação [militar], então essa opção fica em cima da mesa", afirmou o secretário de Estado norte-americano que se encontra de visita à Coreia do Sul.

O secretário de Estado norte-americano disse, numa conferência de imprensa, com o homólogo sul-coreano, Yun Byung-se, que a "diplomacia da paciência estratégica" da Administração Obama em relação a Pyongyang chegou ao fim e que o regime norte-coreano deve abandonar o programa nuclear.

O chefe da diplomacia dos Estados Unidos falava numa conferência de imprensa, com o homólogo sul-coreano, Yun Byung-se, e tal como frisou na quinta-feira no Japão, referiu-se à intenção de Washington em mudar de políticas face ao regime do líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un.

Tillerson defendeu que a segurança e o futuro da estabilidade económica da Coreia do Norte depende de Pyongyang, que "deve abandonar o programa nuclear e de mísseis e de desenvolvimento de qualquer arma de destruição massiva".

Durante a intervenção na Coreia do Sul, o secretário de Estado considerou também "inapropriadas e problemáticas" as medidas que visam o boicote económico da China à Coreia do Sul pela instalação do escudo antimíssil THAAD, norte-americano, destinado a intercetar projeteis norte-coreanos.

A instalação do THAAD nos arredores do Seul tem sido veementemente criticada por Pequim que receia que o equipamento venha a comprometer a segurança da República Popular da China.

Tillerson voltou a insistir que o Sistema de Defesa de Grande Altitude (THAAD, na sigla em inglês) é uma "ferramenta" defensiva.

A visita de Tillerson decorre numa altura de tensão na península coreana.

Seul e Washington realizam atualmente em território sul-coreano a manobras militares conjuntas de grande dimensão e pouco depois do lançamento de quatro mísseis balísticos norte-coreanos.

Depois da deslocação ao Japão e à Coreia do Sul, Tillerson termina no sábado a deslocação ao extremo oriente em Pequim, onde vai abordar a questão relacionada com o escudo antimíssil

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG