Polícia evacua dois campos de migrantes nos arredores de Paris

Forças da segurança aplicam medida após governo ter apresentado nova política migratória e o ministro da Administração Interna anunciado a evacuação dos campos de migrantes.

Cerca de 600 agentes policiais começaram, a partir das 6.00, a levar entre 600 e 1.200 migrantes, que viviam em tendas improvisadas, para autocarros de transporte com destino a centros de acolhimento na região parisiense. Uma operação em larga escala que dá sequência ao desejo expresso do governo em "mudar de rumo" na gestão destas zonas, que se tinham tornado "incontroláveis".

A evacuação dos ocupantes dos dois campos em torno da estrada circular de Paris, entre Porte de la Chapelle e Saint-Denis (Seine-Saint-Denis), realizou-se sem incidentes e terminou pouco antes das 9.00 locais.

Entre os deslocados encontram-se muitos afegãos e africanos, bem como famílias com crianças. Awa, uma costa-marfinense de 32 anos, dormia numa tenda da Porte de la Chapelle desde que chegou a França, há um ano. "Está a chover, está frio. Não sei para onde vou, mas estou feliz por ir, porque vou ter um teto sobre a minha cabeça hoje à noite", disse à AFP, carregando apenas uma mochila.

Uma operação desta escala não acontecia há mais de um ano na capital e surge depois de o governo ter apresentado um plano de imigração em que introduz quotas para profissionais qualificados.

Neste contexto de maior restrição sobre a política migratória, o ministro do Interior, Christophe Castaner, prometeu na quarta-feira evacuar os campos no nordeste de Paris "antes do final do ano".

Dos cerca de 1.500 a 3.000 indivíduos que vivem em tendas junto às estradas da circular parisiense e da autoestrada A1, entre 600 e 1.200 pessoas foram levadas para centros de acolhimento ou para ginásios da região. Os restantes, que vivem num campo ao lado da Porte d'Aubervilliers, serão objecto de uma operação semelhante no futuro.

"Não posso permitir uma situação de perigo desta natureza (...) tudo isto já não pode durar, e é desta firmeza que estou a falar", explicou no local o comissário da polícia de Paris, Didier Lallement, que emitiu a ordem de evacuação. Para as autoridades os campos tornaram-se "demasiado grandes" e um local de "delinquência".