Pete Buttigieg anuncia apoio à candidatura de Joe Biden

O antigo 'mayor' de South Bend (Indiana) e primeiro candidato presidencial dos EUA assumidamente homossexual anunciou no domingo a sua desistência na corrida à nomeação do Partido Democrata.

Pete Buttigieg anunciou na segunda-feira que se vai juntar à candidatura do ex-vice-Presidente dos Estados Unidos Joe Biden para a nomeação democrata para a Casa Branca.

"Estou muito satisfeito por apoiar a candidatura de Joe Biden", afirmou o antigo 'mayor' de South Bend (Indiana) e primeiro candidato presidencial dos Estados Unidos assumidamente homossexual, Pete Buttigieg, um dia depois de ter anunciado a sua desistência na corrida à nomeação do Partido Democrata.

"Estou a procura de um presidente que traga o melhor de nós e encorajo todos os que participaram na minha campanha a se juntarem a mim porque encontramos esse líder na pessoa do vice-Presidente, em breve Presidente, Joe Biden", disse, ao lado de Joe Biden, num comício do ex-vice-Presidente em Dallas, Texas.

A democrata Amy Klobuchar também desistiu da corrida à Casa Branca na véspera da Super Terça-feira, maior dia da votação do processo de nomeação democrata, e vai apoiar Joe Biden. "A senadora está a voar para Dallas para se juntar ao vice-presidente Biden no seu comício desta noite, onde vai suspender a campanha e apoiar o vice-presidente", anunciou um porta-voz da campanha à AFP nesta segunda-feira.

Falando logo depois, Joe Biden elogiou "um homem de grande integridade" e garantiu que não tinha perguntado ao jovem democrata de 38 anos pelo seu apoio.

Este anúncio acontece num momento crucial da campanha para a nomeação democrata para a Casa Branca: Os candidatos à nomeação democrata para a Casa Branca preparam-se esta terça-feira para se enfrentar na "super terça-feira", quando 15 estados e territórios votam para escolher um terço dos delegados que decidirão adversário do Presidente dos EUA.

Em jogo nesta "super terça-feira", que pode ser decisiva para o desfecho final das primárias do Partido Democrata, estão 1.344 delegados, cerca de um terço dos 3.979 nomes que decidirão quem vai ser o adversário do republicano Donald Trump nas eleições de novembro, numa altura em que menos de uma dezena de candidatos se encontra ainda a disputar as primárias democratas.

Depois de conhecidos os resultados da votação na Carolina do Sul, no sábado, alguns dos principais nomes, como Pete Buttigieg e Tom Steyer, abandonaram a corrida, deixando o grupo de candidatos mais bem posicionados nas sondagens reduzido a quatro nomes: Bernie Sanders, Joe Biden, Elizabeth Warren e Michael Bloomberg.

O ex-vice-Presidente Joe Biden precisava de ganhar as primárias na Carolina do Sul para se manter com hipóteses na corrida presidencial e enfrentar o favoritismo do senador Bernie Sanders.

A vitória de Biden na Carolina do Sul deu-lhe uma dose de confiança extra e revelou a sua eficácia política em estados com um eleitorado muito diverso, nomeadamente com forte presença de eleitores afro-americanos.

Os eleitores afro-americanos são um nicho importante nas primárias democratas já que, por tradição, concentram os seus votos num único candidato preferencial e, este ano, pelo constatado na Carolina do Sul (onde 53% do eleitorado era afro-americano), esse candidato é Joe Biden.

Por isso, Biden tem insistido tanto na sua proximidade a Barack Obama, de quem foi vice-Presidente, repetindo inúmeras vezes a sua identificação com o perfil do ex-Presidente de origem afro-americana.

Mas as sondagens indicam que, nas primárias de terça-feira, Bernie Sanders continua a ser o candidato mais bem posicionado para vencer os estados com maior número de delegados: Califórnia e Texas.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG