Palestinianos lançam mais mísseis desde Gaza, Netanyahu ameaça com guerra

A Jihad Islâmica lançou esta segunda-feira da Faixa de Gaza uma nova salva de mísseis contra o sul de Israel e alguns passaram o sistema de defesa antiaéreo, tendo um deles caído no quintal de um jardim de infância.

Não há informações sobre vítimas, mas o segundo dia de violência ameaça levar a uma nova ronda de hostilidades.

A uma semana das eleições legislativas israelitas, o primeiro-ministro em funções, Benjamin Netanyahu, ameaçou os governantes do Hamas, movimento radical palestiniano, na Faixa de Gaza com uma "guerra" se os disparos a partir do enclave continuarem.

Em declarações à Rádio Militar israelita, Netanyahu disse ter transmitido ao Hamas a mensagem de que, se o movimento não parasse os militantes por trás dos ataques, seria um alvo direto. "Só vou para a guerra como última opção, mas preparámos algo que nem se imagina", declarou.

Os militares israelitas indicaram ter registado o disparo de 14 mísseis, 12 dos quais foram intercetados pelo sistema de defesa Cúpula de Ferro.

Depois da Jihad Islâmica ter atacado no domingo o sul de Israel, cerca de 65.000 estudantes foram obrigados a ficar em casa esta segunda-feira de manhã nas cidades fronteiriças à Faixa de Faza, os comboios foram anulados entre as cidades de Ashkelon e Beersheva e várias estradas foram cortadas na região.

Israel também retaliou com ataques aéreos a posições da Jihad Islâmica na Síria, que mataram dois membros do movimento islamita e outros quatro combatentes pró-regime perto de Damasco, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Os disparos da Jihad Islâmica no domingo já eram uma resposta à morte por Israel de um palestiniano que tentou colocar um engenho explosivo perto da barreira fronteiriça que separa o enclave palestiniano de Israel. Os militares recuperaram depois o corpo com um 'bulldozer', o que causou indignação.

Israel e o Hamas já estiveram envolvidos em três guerras entre 2008 e 2014 e em várias rondas de intensa violência desde então.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG