"O Ano do Cão de Terra vai ser bom para a China. A terra origina tudo"

Encontrei-me com Wang Suoying, professora de Língua e Cultura Chinesa, no Centro Científico e Cultural de Macau, em Lisboa, onde existe um fabuloso museu que serviu de cenário para a foto da entrevista. Vive desde 1991 em Portugal e foi a própria Embaixada da China que a recomendou como grande conhecedora dos signos chineses.

O ano chinês que vai começar na sexta-feira, dia 16, é o ano do Cão. É um signo muito valorizado?

Sim, mas todos os signos são valorizados. Na mente dos chineses o Cão é um animal que merece confiança. E olhando para a história, é um animal que começou a viver com os homens desde muito cedo. O velho carácter chinês para Cão aparece nos escritos mais antigos, que eram feitos nas carapaças de tartaruga. Hoje temos um carácter para Cão mais moderno, estilizado. E o som em chinês até é parecido com o português, escreve-se gou em pinyin [lê-se côu].

As pessoas que nascem sob o signo Cão que características é suposto terem?

São pessoas que trabalham com rigor, responsáveis, firmes, que levam os projetos até ao final e não param a meio.

Os signos chineses são 12 e repetem-se a cada 12 anos. Há pais que planeiam ter os filhos num dado ano porque querem muito que estes tenham um certo signo?

Alguns pais podem fazer isso e sobretudo para os filhos serem Porco, que é o signo mais afortunado. Até posso contar uma piada: nas aulas de chinês quando ensinam os signos pergunta-se o signo de cada um e eu faço logo outra pergunta. "Está contente com a sua vida? Acha que a sua vida é fácil?" Imagine a resposta de quem é Porco. Se o bebé tiver o signo Cão, Dragão ou outro toda a gente gosta. Mas o Porco é o signo que os pais mais querem.

Bem, o meu signo chinês é Porco [risos]. E já agora qual é o seu signo?

Coelho.

E o que tem o Coelho de especial para os chineses?

É firme, é gentil, tem bom coração. E eu acho que sou assim [risos]. O meu filho é Cabra e a minha netinha é Cavalo.

Tirando o Porco, o Dragão é o signo que mais pais querem para os filhos?

Sim, pode dizer-se que sim. Os pais querem muito o Dragão para os filhos. O dragão é um animal mitológico e entre 12 animais nos signos é o único mitológico. Os antigos chineses imaginavam que o dragão era um animal capaz de fazer tudo.

É também um animal mitológico muito associado aos imperadores.

O imperador autodenominava-se filho do céu e dragão. Os objetos relacionados com os imperadores geralmente têm o dragão - por exemplo o trono. Mas há coisas que têm de se saber: o animal é um animal muito vigoroso mas também muito instável. Os anos do Dragão, normalmente, têm sempre instabilidade. Cito como exemplo o ano de 1976 em que morre Mao Tsé--tung e houve também um grande terramoto. Os chineses esperam que os filhos sejam Dragão e isso quer dizer que esperam que os filhos sejam alguém na vida.

Qual era o signo de Mao Tsé-tung, o fundador da República Popular da China?

Era Serpente.

E qual é o signo do atual presidente Xi Jinping?

Também é Serpente, é uma coincidência.

Em termos de personalidade, o que é uma pessoa do signo Serpente?

É uma pessoa sensata, prudente, cheia de sabedoria. Entre os chineses vulgarmente diz-se que a serpente é considerada um dragão pequeno. O dragão é mitológico mas a imagem original do dragão é a serpente, a que se vai acrescentando outras coisas.

Esta cultura dos signos ainda é muito importante para os chineses?

Sim, leva-se a sério. Antes dos casamentos pergunta-se se o signo dos noivos combina. Entre os amigos pergunta-se também. Hoje, porém, já não é como no passado, em que os pais podiam opor-se a um casamento só por o signo do filho ou da filha não ser compatível com o da outra pessoa.

Para um Coelho, como a senhora, o casamento ideal é com que signo?

Dizem que é com Cão, Cabra ou Porco mas o meu marido é Tigre [risos]. Há livros que dizem que quem casa com um Tigre pode ter discussões mas o casamento vai dar certo. Se calhar com Cão e Cabra não há discussões [risos].

Nos signos também há cinco elementos que se repetem a cada 60 anos. Quais são?

Madeira, Terra, Água, Metal e Fogo.

Um Cão pode ser Cão de Terra, de Fogo, etc. Isso também faz diferenças?

Sim.

Este ano é Cão de quê?

Cão de Terra.

É especial ser Cão de Terra?

Sim, porque a terra era muito importante na mentalidade dos chineses antigos pois a terra é mãe de tudo. A terra produz e alimenta o ser humano.

Este ano de Cão de Terra vai ser um ano próspero para a China?

Penso que sim, que vai ser bom para a China. A terra origina tudo, cresce, desenvolve as coisas e veem-se os frutos.

Os signos ocidentais são populares na China? As pessoas interessam-se por Leão, Gémeos ou Balança?

Um pouco, sobretudo os jovens. A China está muito aberta ao exterior e os jovens têm cada vez mais contactos com o Ocidente. Entre eles perguntam muito sobre o signo ocidental, mas o signo chinês continua a ser a raiz.

Acha que a China está a conseguir manter bem este equilíbrio entre a crescente influência ocidental e a tradição chinesa?

O governo chinês está a fazer um grande esforço nesse sentido. Quer promover o fascínio milenar da tradição chinesa mas adaptado à época moderna. Tudo o que era relacionado com a cultura tradicional era considerado velho, mas hoje não. De há uns anos para cá temos mais feriados, alguns que tinham até desaparecido.

Está a dizer que a China, que se tornou muito próspera nas últimas décadas, voltou a encontrar-se com o seu passado e tem orgulho nele?

Tudo o que eram hábitos tradicionais tinham sido erradicados durante a Revolução Cultural de 1966-1976. Hoje é diferente. A Festa da Lua já é feriado nacional, não era e agora já é. A Festa do Barco do Dragão voltou. Também voltámos a recuperar o Dia da Pura Claridade, que equivale ao Dia dos Finados aqui em Portugal.

O Ano Novo chinês é mesmo a maior festa para os 1400 milhões de chineses?

É como o Natal. Comemoramos na véspera e no dia. Vocês têm ceia de Natal, nós temos um jantar do Ano Novo e toda a família se reúne. Também celebramos na semana anterior, uma espécie de boas-vindas ao Ano Novo, por isso o desfile chinês em Lisboa foi no sábado.

Está já há muitos anos em Portugal, do que conhece dos chineses de segunda e terceira geração eles ainda se mantêm agarrados à cultura chinesa?

Acho que sim. Os pais chineses valorizam muito a educação e os hábitos da origem e passam-nos aos filhos.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG