Nitrato de amónio, o fertilizante que destruiu Beirute e já causou vários acidentes

A substância que causou a explosão que devastou a capital do Líbano é importante para a agricultura e construção, mas tem provocado vários acidentes além de ser usado como explosivo para fabricar bombas improvisadas.

O nitrato de amónio, que as autoridades libanesas disseram ter causado a devastadora explosão de Beirute, é uma substância cristalina inodora que é geralmente usada como fertilizante e que tem sido a causa de inúmeras explosões industriais ao longo de décadas.

Um dos casos ocorreu numa fábrica de fertilizantes do Texas em 2013 que matou 15 pessoas e foi provocada deliberadamente, e outra numa fábrica de produtos químicos em Toulouse, França em 2001, que causou a morte de 31 pessoas, mas foi acidental.

Quando combinado com óleos combustíveis, o nitrato de amónio cria um explosivo potente amplamente utilizado na indústria da construção, mas também por grupos insurgentes como os Taliban para explosivos improvisados.

Duas toneladas foram usadas para criar a bomba no ataque de Oklahoma City em 1995 que destruiu um prédio federal, deixando 168 pessoas mortas.

O primeiro-ministro libanês Hassan Diab disse que 2.750 toneladas métricas de nitrato de amónio armazenadas durante anos num armazém no porto de Beirute explodiram, matando dezenas de pessoas e causando danos generalizados na capital libanesa.

Na agricultura, o fertilizante de nitrato de amónio é aplicado na forma de grânulos e dissolve-se rapidamente sob a humidade, permitindo que o nitrogénio - que é essencial para o crescimento das plantas - seja libertado no solo.

No entanto, sob condições normais de armazenamento e sem calor muito alto, é difícil acender o nitrato de amónio, disse à AFP Jimmie Oxley, professor de química da Universidade de Rhode Island.

"Se olhar para o vídeo (da explosão de Beirute), vê o fumo preto e o fumo vermelho - foi uma reação incompleta", disse. "Estou assumindo que houve uma pequena explosão que instigou a reação do nitrato de amónio".

Isso ocorre porque o nitrato de amónio é um oxidante - intensifica a combustão e permite que outras substâncias incendeiem mais rapidamente, mas não é muito combustível.

Por esses motivos, geralmente existem regras muito rígidas sobre onde pode ser armazenado: por exemplo, deve ser mantido longe de combustíveis e fontes de calor.

De facto, muitos países da União Europeia exigem que o carbonato de cálcio seja adicionado ao nitrato de amónio para criar nitrato de cálcio e amónio, o que é mais seguro.

Nos Estados Unidos, os regulamentos foram reforçados significativamente após o ataque à cidade de Oklahoma.

Sob os Padrões Antiterroristas das Instalações Químicas, por exemplo, instalações que armazenam mais de 900 kg de nitrato de amónio estão sujeitas a inspeções.

Apesar de seus perigos, Oxley disse que o uso legítimo do nitrato de amónio na agricultura e na construção o torna indispensável.

"Não teríamos este mundo moderno sem explosivos e não alimentaríamos a população que temos hoje sem fertilizantes com nitrato de amónio", explicou. "Precisamos de nitrato de amónio, só precisamos prestar muita atenção ao que fazemos com ele".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG