Marrocos normaliza relações com Israel após EUA reconhecerem a sua soberania no Saara Ocidental

Será o quarto país árabe a reatar as relações com Israel, depois dos Emirados Árabes Unidos e do Bahrein, ao qual o Sudão também se deverá juntar.

O presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou esta quinta-feira que Marrocos vai normalizar as relações com Israel, como fizeram recentemente três outros países árabes, e que os EUA reconheceram a soberania marroquina sobre o Saara Ocidental.

"Outro avanço histórico hoje!", escreveu Trump no Twitter, referindo-se aos "dois grandes amigos", Israel e Marrocos, que disse terem concordado "em normalizar completamente as relações diplomáticas", o que constitui "um grande passo para a paz no Oriente Médio".

Bahrein e Emirados Árabes Unidos já tinham concordado nos últimos meses em normalizar as relações com Israel, no âmbito dos chamados "acordos abraâmicos", liderados pela Casa Branca, representada por Jared Kushner, genro e assessor de Trump.

O Sudão também deu o seu acordo de princípio para fazer o mesmo e, de acordo com Jared Kushner, o reconhecimento de Israel pela Arábia Saudita também é "inevitável".

A questão da normalização das relações entre Rabat e Israel foi reavivada em fevereiro passado, durante uma visita oficial a Marrocos do chefe da diplomacia norte-americana, Mike Pompeo.

Na ocasião, os media israelitas disseram que o Governo de Rabat estaria pronto para para um acordo com Israel em troca do apoio norte-americano à posição de Marrocos sobre o Saara Ocidental, uma ex-colónia espanhola disputada por marroquinos e pelos separatistas da Polisário apoiados por Argélia.

Donald Trump, que deixará a Casa Branca em 20 de janeiro, anunciou ao mesmo tempo no Twitter que assinou hoje uma proclamação reconhecendo a soberania marroquina sobre o Saara Ocidental.

"A proposta séria, credível e realista de Marrocos para a autonomia é a única base para uma solução justa e duradoura para garantir a paz e a prosperidade!", escreveu o presidente cessante.

"Marrocos reconheceu os Estados Unidos em 1777. Portanto, é apropriado que reconheçamos a sua soberania sobre o Saara Ocidental", justificou Trump.

"Tomada de posição histórica"

Marrocos confirmou que "retomará as relações diplomáticas" com Israel "o mais rápido possível" e descreveu como "uma tomada de posição histórica" a decisão de Washington de reconhecer a soberania marroquina sobre o disputado território do Saara ocidental.

Ao telefone com Trump, o rei marroquino Mohammed VI destacou que o seu país "retomaria os contatos oficiais (...) e as relações diplomáticas o mais rápido possível" com o Estado hebreu, de acordo com um comunicado de imprensa do Palácio real.

Marrocos e Israel estabeleceram escritórios de representação em Rabat e Tel Aviv nos anos 1990, mas foram fechados na década de 2000.

Por seu lado, o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, falou também de um acordo histórico com Marrocos e antecipou a possibilidade de voos diretos entre os dois países em breve

Numa declaração televisiva, agradeceu ao rei marroquino e disse que o povo de Israel e de Marrocos tiveram uma "relação calorosa no período moderno".

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG