Macron promete enviar a Trump nova "árvore da amizade"

Em abril do ano passado, os dois chefes de Estado plantaram juntos um carvalho como símbolo da união entre os dois países. A árvore acabou por morrer. "Nós vamos enviar outra. Não é uma tragédia", garantiu Emmanuel Macron

"Este carvalho (o meu presente a Donald Trump) será uma recordação na Casa Branca dos laços que nos unem", afirmou, na altura, o presidente francês Emanuel Macron sobre a árvore que os dois chefes de Estado plantaram em abril do ano passado. O carvalho acabou por morrer, mas já há a promessa de uma nova a caminho dos EUA.

"Nós vamos enviar outra. Não é uma tragédia", assegurou o presidente francês em declarações à estação de televisão suíça RTS, durante a reunião da Organização Internacional do Trabalho (OIT), em Genebra.

A "árvore da amizade", como foi apelidada, tinha vindo de um bosque no norte de França onde 2000 soldados norte-americanos perderam a vida na batalha de Belleau, durante a Primeira Guerra Mundial.

O carvalho não resistiu e a comparação com a relação entre os dois presidentes não se fez esperar, uma vez que Macron e Trump têm manifestado opiniões diferentes sobre várias questões, como as alterações climáticas, o acordo nuclear com o Irão e a relação com a Europa.

"Não vejam símbolos onde não há nenhum. O símbolo era plantá-la juntos", fez questão de notar Emmanuel Macron. O presidente francês explicou que depois da fotografia na Casa Branca, o carvalho foi retirado do local e colocado em quarentena, de acordo com os regulamentos norte-americanos e "o pobrezinho acabou por não sobreviver".

Macron não se dá por vencido e explicou a razão pela qual vai oferecer uma nova "árvore da amizade" a Donald Trump. "Vou enviar outro carvalho porque considero que os fuzileiros dos EUA e a amizade pela liberdade entre os nossos povos fazem com que valha a pena", afirmou.

Resta saber se este carvalho vai ter melhor sorte na Casa Branca que o seu antecessor.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.