Kim a cavalo na montanha sagrada deixa a Coreia à espera do grande anúncio

O líder norte-coreano deu um passeio a cavalo no monte Paektu, o que pode ser a antecipação de uma decisão importante.

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, foi ao monte Paektu, a montanha considerada sagrada pelos norte-coreanos, dar um passeio a cavalo. As imagens foram divulgadas pela agência estatal KCNA e logo surgiram especulações de que virá aí um anúncio importante.

Esta não é a primeira vez que o líder norte-coreano sobe a montanha com 2750 metros - onde reza a lenda terá nascido Dangun, o fundador do primeiro império coreano, há 4000 anos. E também Kim Jong-il, o pai e antecessor de Kim Jong-un.

Terá ainda sido ali que Kim Il-sung, o avô do atual líder, organizou a resistência contra os japoneses, que governaram a Coreia entre 1910 e o fim da II Guerra Mundial, em 1945. Pelo menos é o que garante a propaganda do regime de Pyongyang, que usa a montanha como símbolo.

"Ao testemunhar os grandes momentos dos seus pensamentos no topo do Monte Peaktu, todos os oficiais que acompanhavam [Kim Jong-un] estavam convencidos com emoção e alegria que será uma grande operação para surpreender o mundo com admiração e dar um passo em frente na revolução norte-coreana", afirma a notícia da KCNA.

Esta não é a primeira vez que Kim Jong-un sobe a montanha sagrada, vista pelos norte-coreanos como o caminho mais próximo para o céu. Em 2017 visitou o monte Paektu semanas antes do discurso de Ano Novo que marcou o ponto de viragem depois de meses de tensão com os EUA e com a Coreia do Sul, determinando a aproximação a ambos, o que permitiu a realização de duas cimeiras com o presidente americano Donald Trump desde então. Em 2018, Kim esteve mesmo na montanha com o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in.

Este passeio de Kim surge depois de, no início deste mês, responsáveis norte-americanos e norte-coreanos se terem reunido na Suécia, no primeiro encontro bilateral desde a segunda cimeira entre Kim e Trump, em junho, na zona desmilitarizada que divide as duas Coreias desde o fim da guerra (1950-53).

Mas as discussões acabaram por terminar sem nenhum desenvolvimento positivo, com os norte-americanos a dizerem apenas que foram "boas. Pouco antes deste encontro, a Coreia do Norte - uma potência nuclear que já realizou seis ensaios da bomba atómica - lançou um novo tipo de míssil balístico, naquele que foi o 11.º teste deste género desde o início do ano.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...