Trump chama animal a Assad e promete resposta a ataque químico

70 mortos pelo menos em ataque químico em Douma. EUA acusam Rússia e Irão de ajudar Assad e eles defendem-se falando em fabricação do Ocidente para invadir a Síria

Imagens de crianças mortas, sufocadas, a espumar da boca, chegaram ontem da Síria. De novo. Mais uma vez o mundo ficou chocado. Dirigentes mundiais trocaram acusações, mais ou menos violentas, por causa do que parece ser mais um ataque com armas químicas por parte do regime do presidente Bashar al-Assad contra os rebeldes na cidade de Douma, nos arredores de Damasco (fazendo pelo menos 70 mortos). Falta saber com que consequências.

"Muitos mortos, incluindo mulheres e crianças. Ataque QUÍMICO na Síria. A área visada está cercada pelo exército sírio, completamente inacessível ao mundo. O presidente Putin, a Rússia e o Irão são responsáveis por apoiarem o Animal Assad. Preço muito elevado a pagar. Abram imediatamente a área para ajuda médica e verificação. Outro desastre humanitário sem qualquer razão. DOENTIO! Se o presidente Obama tivesse ultrapassado a Linha Vermelha na Areia conforme disse, o desastre sírio teria acabado há muito! O Animal Assad já seria história", escreveu, em três tweets consecutivos, o presidente dos EUA Donald Trump.

O chefe do Estado americano referia-se ao apoio dado ao regime de Bashar al-Assad pelos presidentes russos Vladimir Putin e iraniano Hassan Rouhani. Estes estiveram a semana passada reunidos em Ancara, na Turquia, com o presidente turco Recep Tayyip Erdogan. Precisamente para discutir a Síria. Trump referia-se também ao facto de o seu antecessor na Casa Branca, Barack Obama, ter dito que o uso de armas químicas pelo regime sírio de Bashar al-Assad seria a linha vermelha que, para os EUA, não poderia ser pisada. Mas após ataques químicos, Obama aceitou a solução negociada pela Rússia, no sentido de o regime da Síria aceitar desfazer-se de todas as armas químicas em seu poder.

Não é a primeira vez que Trump culpa o ex-presidente democrata pelo ponto a que chegou o conflito em território sírio (que já dura há mais de sete anos). Fez o mesmo em 2017, após o ataque químico que causou 74 mortos e 557 feridos em Khan Sheikhoun a 4 de abril. Três dias mais tarde, o presidente republicano autorizava o disparo de 59 mísseis Tomahawk contra a base militar síria de Al-Shayrat em retaliação por aquele ataque químico na província de Idlib. Por causa deste precedente, muitos questionavam ontem o que Trump quis dizer quando falou num elevado preço a pagar pelo ataque em Douma. Sendo que ainda há dias tinha dado a entender que a missão das tropas americanas na Síria "está a chegar ao fim".

Tanto a Síria como a Rússia negaram um ataque químico. "O objetivo destas falsas conjeturas, totalmente infundadas, é proteger os terroristas e a oposição radical que rejeita um acordo político e, ao mesmo tempo, tentar justificar possíveis ataques militares a partir do exterior", informou o Ministério dos Negócios Estrangeiros russo em comunicado. "Estas alegações feitas pelos americanos e os países ocidentais apontam para uma nova conspiração contra o governo e o povo sírio e são uma desculpa para lançar uma ação militar contra eles", declarou por seu lado o porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros iraniano Bahram Qasemi. Numa reação diferente, uma porta-voz do presidente turco Recep Tayyip Erdogan disse: "O regime sírio tem que prestar contas sobre vários ataques em várias regiões do país e em vários momentos distintos".

Também da parte da União Europeia veio a exigência de que o ataque não fique sem resposta. "As provas apontam para outro ataque químico por parte do regime. É algo muito preocupante que armas químicas continuem a ser usadas contra civis. A União Europeia condena nos termos mais fortes o uso de armas químicas e pede uma resposta imediata da comunidade internacional", referiu a UE em comunicado.

A organização de voluntários sírios Capacetes Brancos (propostos para Nobel da Paz em 2017) tweetou imagens de Douma, falando em ataque químico e 70 mortos. O Ghouta Media Center disse que uma bomba com gás sarin fora lançada de helicóptero. A Union of Medical Relief Organizations, organização com sede nos EUA que trabalha com hospitais sírios, indicou à BBC que o Hospital Rural de Especialidades de Damasco confirmou 70 mortos. Síria e Rússia denunciam "fabricação".

No mesmo dia o ministro dos Negócios Estrangeiros francês pediu uma reunião de urgência do Conselho de Segurança da ONU. Jean-Yves Le Drian criticou uma "violação grosseira do direito internacional". O secretário-geral da ONU, António Guterres, manifestou-se alarmado com o ataque químico em Douma. "O secretário-geral está particularmente alarmado com as alegações de que foram utilizadas armas químicas contra a população civil em Douma", disse a ONU em comunicado, ressalvando, no entanto, "não estar em posição de verificar essas informações".O porta-voz de Guterres, Stéphane Dujarric, lembrou que "não há solução militar" para o conflito na Síria. Este já fez meio milhão de mortos.
Ao fim do dia, negociadores da oposição síria terão chegado a acordo com os militares russos para retirarem de Douma, disseram negociadores locais citados pela agência Reuters. Segundo eles o acordo vai permitir aos rebeldes do Jaish al Islam que queiram entregar-se sair sem enfrentar represálias por parte das forças do regime de Bashar al-Assad.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.