Trump chama animal a Assad e promete resposta a ataque químico

70 mortos pelo menos em ataque químico em Douma. EUA acusam Rússia e Irão de ajudar Assad e eles defendem-se falando em fabricação do Ocidente para invadir a Síria

Imagens de crianças mortas, sufocadas, a espumar da boca, chegaram ontem da Síria. De novo. Mais uma vez o mundo ficou chocado. Dirigentes mundiais trocaram acusações, mais ou menos violentas, por causa do que parece ser mais um ataque com armas químicas por parte do regime do presidente Bashar al-Assad contra os rebeldes na cidade de Douma, nos arredores de Damasco (fazendo pelo menos 70 mortos). Falta saber com que consequências.

"Muitos mortos, incluindo mulheres e crianças. Ataque QUÍMICO na Síria. A área visada está cercada pelo exército sírio, completamente inacessível ao mundo. O presidente Putin, a Rússia e o Irão são responsáveis por apoiarem o Animal Assad. Preço muito elevado a pagar. Abram imediatamente a área para ajuda médica e verificação. Outro desastre humanitário sem qualquer razão. DOENTIO! Se o presidente Obama tivesse ultrapassado a Linha Vermelha na Areia conforme disse, o desastre sírio teria acabado há muito! O Animal Assad já seria história", escreveu, em três tweets consecutivos, o presidente dos EUA Donald Trump.

O chefe do Estado americano referia-se ao apoio dado ao regime de Bashar al-Assad pelos presidentes russos Vladimir Putin e iraniano Hassan Rouhani. Estes estiveram a semana passada reunidos em Ancara, na Turquia, com o presidente turco Recep Tayyip Erdogan. Precisamente para discutir a Síria. Trump referia-se também ao facto de o seu antecessor na Casa Branca, Barack Obama, ter dito que o uso de armas químicas pelo regime sírio de Bashar al-Assad seria a linha vermelha que, para os EUA, não poderia ser pisada. Mas após ataques químicos, Obama aceitou a solução negociada pela Rússia, no sentido de o regime da Síria aceitar desfazer-se de todas as armas químicas em seu poder.

Não é a primeira vez que Trump culpa o ex-presidente democrata pelo ponto a que chegou o conflito em território sírio (que já dura há mais de sete anos). Fez o mesmo em 2017, após o ataque químico que causou 74 mortos e 557 feridos em Khan Sheikhoun a 4 de abril. Três dias mais tarde, o presidente republicano autorizava o disparo de 59 mísseis Tomahawk contra a base militar síria de Al-Shayrat em retaliação por aquele ataque químico na província de Idlib. Por causa deste precedente, muitos questionavam ontem o que Trump quis dizer quando falou num elevado preço a pagar pelo ataque em Douma. Sendo que ainda há dias tinha dado a entender que a missão das tropas americanas na Síria "está a chegar ao fim".

Tanto a Síria como a Rússia negaram um ataque químico. "O objetivo destas falsas conjeturas, totalmente infundadas, é proteger os terroristas e a oposição radical que rejeita um acordo político e, ao mesmo tempo, tentar justificar possíveis ataques militares a partir do exterior", informou o Ministério dos Negócios Estrangeiros russo em comunicado. "Estas alegações feitas pelos americanos e os países ocidentais apontam para uma nova conspiração contra o governo e o povo sírio e são uma desculpa para lançar uma ação militar contra eles", declarou por seu lado o porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros iraniano Bahram Qasemi. Numa reação diferente, uma porta-voz do presidente turco Recep Tayyip Erdogan disse: "O regime sírio tem que prestar contas sobre vários ataques em várias regiões do país e em vários momentos distintos".

Também da parte da União Europeia veio a exigência de que o ataque não fique sem resposta. "As provas apontam para outro ataque químico por parte do regime. É algo muito preocupante que armas químicas continuem a ser usadas contra civis. A União Europeia condena nos termos mais fortes o uso de armas químicas e pede uma resposta imediata da comunidade internacional", referiu a UE em comunicado.

A organização de voluntários sírios Capacetes Brancos (propostos para Nobel da Paz em 2017) tweetou imagens de Douma, falando em ataque químico e 70 mortos. O Ghouta Media Center disse que uma bomba com gás sarin fora lançada de helicóptero. A Union of Medical Relief Organizations, organização com sede nos EUA que trabalha com hospitais sírios, indicou à BBC que o Hospital Rural de Especialidades de Damasco confirmou 70 mortos. Síria e Rússia denunciam "fabricação".

No mesmo dia o ministro dos Negócios Estrangeiros francês pediu uma reunião de urgência do Conselho de Segurança da ONU. Jean-Yves Le Drian criticou uma "violação grosseira do direito internacional". O secretário-geral da ONU, António Guterres, manifestou-se alarmado com o ataque químico em Douma. "O secretário-geral está particularmente alarmado com as alegações de que foram utilizadas armas químicas contra a população civil em Douma", disse a ONU em comunicado, ressalvando, no entanto, "não estar em posição de verificar essas informações".O porta-voz de Guterres, Stéphane Dujarric, lembrou que "não há solução militar" para o conflito na Síria. Este já fez meio milhão de mortos.
Ao fim do dia, negociadores da oposição síria terão chegado a acordo com os militares russos para retirarem de Douma, disseram negociadores locais citados pela agência Reuters. Segundo eles o acordo vai permitir aos rebeldes do Jaish al Islam que queiram entregar-se sair sem enfrentar represálias por parte das forças do regime de Bashar al-Assad.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.