Tribunal constitucional do Mali confirma reeleição de Ibrahim Keita

Resultados tinham sido contestados pela oposição, que alegava fraude.

O Tribunal Constitucional do Mali confirmou esta segunda-feira a reeleição do presidente Ibrahim Boubacar Keita, rejeitando acusações de fraude por parte da oposição. Soumaila Cisse, que angariou 32,83% dos votos, contestou os resultados das eleições presidenciais realizadas a 12 de agosto.

"Proclamo eleito Ibrahim Boubacar Keita", declarou a presidente do Tribunal Constitucional maliano, Manassa Danioko.

Keita foi reeleito com 67,17% dos votos e inicia a 4 de setembro um segundo mandato de cinco anos, numa altura em que as autoridades do Mali estão a enfrentar a violência crescente por parte de grupos jihadistas e milícias étnicas. A sua principal tarefa passa por revitalizar o acordo de paz assinado em 2015 com o governo local e rebeldes tuaregues.

As eleições presidenciais ficaram marcadas por ataques armados no centro e no norte do país que obrigaram ao encerramento de dezenas de locais de voto.

Vários observadores locais e internacionais afirmaram não existir evidências de fraude, independentemente do número de irregularidades e interrupções registadas.

Segundo o ministro da Administração Territorial, Mohamed Ag Erlaf, a taxa de participação nas eleições rondou os 34,54%.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.