Tribunal constitucional do Mali confirma reeleição de Ibrahim Keita

Resultados tinham sido contestados pela oposição, que alegava fraude.

O Tribunal Constitucional do Mali confirmou esta segunda-feira a reeleição do presidente Ibrahim Boubacar Keita, rejeitando acusações de fraude por parte da oposição. Soumaila Cisse, que angariou 32,83% dos votos, contestou os resultados das eleições presidenciais realizadas a 12 de agosto.

"Proclamo eleito Ibrahim Boubacar Keita", declarou a presidente do Tribunal Constitucional maliano, Manassa Danioko.

Keita foi reeleito com 67,17% dos votos e inicia a 4 de setembro um segundo mandato de cinco anos, numa altura em que as autoridades do Mali estão a enfrentar a violência crescente por parte de grupos jihadistas e milícias étnicas. A sua principal tarefa passa por revitalizar o acordo de paz assinado em 2015 com o governo local e rebeldes tuaregues.

As eleições presidenciais ficaram marcadas por ataques armados no centro e no norte do país que obrigaram ao encerramento de dezenas de locais de voto.

Vários observadores locais e internacionais afirmaram não existir evidências de fraude, independentemente do número de irregularidades e interrupções registadas.

Segundo o ministro da Administração Territorial, Mohamed Ag Erlaf, a taxa de participação nas eleições rondou os 34,54%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.