Tolentino de Mendonça assume hoje arquivo secreto e biblioteca do Vaticano

Arcebispo José Tolentino de Mendonça inicia hoje as suas funções à frente do Arquivo Secreto do Vaticano, a biblioteca mais antiga do mundo.

O arcebispo português José Tolentino de Mendonça assume hoje a responsabilidade pelo Arquivo Secreto do Vaticano e pela mais antiga biblioteca do mundo, a Biblioteca Apostólica, com a preocupação de preservar "um grande tesouro da igreja e da humanidade".

Ordenado arcebispo em julho, Tolentino de Mendonça foi nomeado pelo papa como arquivista e bibliotecário do Vaticano para, segundo disse Francisco na altura, aproximar a Igreja e a cultura.

Na sua ordenação como arcebispo, Tolentino de Mendonça assegurou que continuará a ser padre e escritor, mas que irá passar a ter outra preocupação.

"A minha preocupação será, por um lado, a de preservar aquele repositório, que é um grande tesouro da igreja e da humanidade e ao mesmo tempo pô-lo a dialogar com a contemporaneidade", afirmou na altura.

"Instrumento do diálogo e aproximação entre Igreja e cultura"

Tolentino de Mendonça defendeu que "é preciso ir além de uma certa ficção que romanceou muito aquele arquivo privado", sublinhando que o arquivo "está muito aberto à sociedade" e tem "mais de dois mil investigadores creditados".

"O Santo Padre espera de mim que eu continue a ser um instrumento de diálogo e de aproximação entre a Igreja e a cultura. É isso que farei, a partir da Biblioteca Apostólica, sem dúvida colocando ao serviço da igreja aquilo que são os meus talentos e a minha forma de ser e a escrita é uma forma de comunicação, na qual continuarei a apostar como o lugar de representação, de comunicação de Jesus no mundo de hoje", afirmou.

Padre desde os 24 anos e poeta, mas também ensaísta e professor, Tolentino de Mendonça, nascido na Madeira em 1965, é formado em teologia bíblica.

É autor de dezenas de publicações, especialmente de poesia, mas também de ensaios e textos pastorais, e foi galardoado em 2001 com a ordem do Infante D. Henrique, e em 2015 com a Ordem de Sant´Iago de Espada

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.