De maca e sedados. Como foram retirados da gruta os 12 rapazes tailandeses

O mundo acompanhou o resgate ao minuto, mas houve muitos pormenores que só foram conhecidos depois de tudo estar resolvido

Afinal, como foram retirados da gruta de Tham Luang os 12 rapazes tailandeses que ficaram mais de duas semanas presos? O mundo acompanhou a operação de resgate ao minuto mas só ontem se soube pormenores claros do que aconteceu dentro do sistema de grutas. E alguns contradizem aquilo que se pensava saber.

O plano inicial previa que os 12 jovens tailandeses e o treinador de futebol, que há 17 dias estavam presos na gruta Tham Luang, de lá saíssem a nado, com a ajuda de mergulhadores. Mas afinal, o resgate acabou por ser um pouco diferente. Um vídeo publicado na quarta-feira no Facebook da Marinha Tailandesa confirma isso mesmo.

Os meninos, com idades compreendidas entre os 11 e os 16 anos, e o treinador, de 25, acabaram por ser sedados, vestidos com fatos de mergulho e máscaras de oxigénio de pressão e transportados em macas de borracha com pegas, que foram levadas pelos socorristas durante todo o caminho até à superfície.

Nas áreas inundadas, as camas improvisadas eram puxadas pelos mergulhadores; nas zonas secas, eram presas a cabos através de roldanas. Os mergulhadores treinaram com crianças locais, com a mesma constituição física dos desaparecidos, numa piscina local.

Relatos citados pelo jornalista do jornal britânico The Guardian no local apontavam para que os rapazes tivessem sido medicados para não ficarem "nervosos ou em pânico".

As crianças estavam a uma distância de 3,2 km no interior da gruta e o processo de extração durou horas para cada criança.

Segundo a BBC , em áreas totalmente submersas, os jovens foram amarrados a um mergulhador de resgate, com outro logo atrás. Os mergulhadores foram guiados através do escuro por linhas de mergulho. Nas zonas mais estreitas, os socorristas tiveram de retirar as suas botijas de ar, bem como as dos meninos para conseguirem passar.

"Alguns deles dormiam, alguns balançavam os dedos... (como se estivessem) grogues, mas todos respiravam", disse o Comandante Chaiyananta Peeranarong ao britânico The Telegraph , acrescentando que os médicos posicionados ao longo dos corredores escuros da caverna de Tham Luang estavam constantemente atentos aos batimentos cardíacos das crianças.

Como foi dito que ia ser o resgate

Os 12 jovens e o treinador estavam desaparecidos desde o dia 23 de junho, depois de terem sido surpreendidos pela inundação da gruta Tham Luang, que tinham descido para explorar depois de um treino de futebol.

Foram descobertos por mergulhadores britânicos na caverna a 3 de julho. Um dia depois, receberam comida e foram avaliados por um médico.

Assim surgiu a primeira ideia de salvamento: esperar cerca de quatro meses, até ao final da época das monções - que vai de junho a outubro. Depressa caiu por terra.

Se por um lado, esperar pela estação seca permitia sair da gruta com mais segurança, por outro, manter os jovens naquele ambiente tanto tempo colocava em risco as suas vidas.

Outra condicionante era a logística que era necessária manter nesses meses - a nível de comida, água potável e assistência médica - para garantir a sobrevivência do grupo.

Precisamente para salvaguardar o bem-estar físico e psicológico dos jovens, a operação de salvamento tinha de ser feita de forma rápida. Demorou três dias, de domingo, 8 de julho, a terça-feira, 10, e foi feita em grupos de quatro, dos maios fortes para os mais fracos.

Para sair da gruta, os socorristas prepararam o grupo para andar, rastejar e mergulhar. Porém, a fragilidade acentuada das crianças aliado ao facto de alguns não saberem nadar e de as aulas de mergulho não terem surtido grandes avanços, levou a equipa de salvamento a decidir pela retirada dos jovens em macas, sedados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.