Saragoça: folheto municipal explica como 'snifar' cocaína

"Para fabricar um rolo que não faça dano nos epitélios nasais, é preferível usar papel ou cartão enrolado a tubos de materiais duros", lê-se na publicação da autarquia, que diz querer prevenir o consumo de drogas

Depois de Bilbau, Saragoça. O município está a ser criticado por ter distribuído um folheto que explica como 'snifar' cocaína e que, segundo a oposição, incita ao consumo de estupefacientes.

De acordo com o El País, trata-se de uma publicação com 31 páginas que elenca "precauções" a tomar no uso de estupefacientes, mas que especifica "a composição, posologia, as contraindicações e os efeitos secundários de drogas que são legais", acusa o PP, que está na oposição da autarquia, governada pela coligação "Zaragoza en Común".

Fontes municipais garantem que este tipo de programa de prevenção é feito na cidade há décadas e que o objetivo foi encontrar novas formas de enfrentar o problema do consumo de drogas, daí frases como "para fabricar um rolo que não faça dano nos epitélios nasais, é preferível usar papel ou cartão enrolado a tubos de materiais duros", ou "a toma de canábis é preferível reservá-la para ocasiões especiais".

"Informa-se amplamente sobre os efeitos adversos do consumo de drogas", defendeu a autarquia em comunicado. "A informação é verdadeira e tem base científica".

Já em setembro do ano passado, a cidade espanhola de Bilbau, no País Basco, foi criticada por distribuir kits para o consumo seguro de cocaína e outras drogas inaláveis. O kit, que incluía um cartão do tamanho de um cartão de crédito, era dado aos sábados à noite nas zonas de lazer e durante as festas de agosto da cidade, uma iniciativa do departamento de saúde da autarquia.

Mas, perante as críticas de que este ato incentivava o consumo de drogas, as autoridades locais decidiram interromper a distribuição das embalagens. "Corta bem a tua linha. Se não for bem cortada pode danificar as tuas narinas", lia-se no cartão que trazia o logótipo da cidade de Bilbau.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.