Saragoça: folheto municipal explica como 'snifar' cocaína

"Para fabricar um rolo que não faça dano nos epitélios nasais, é preferível usar papel ou cartão enrolado a tubos de materiais duros", lê-se na publicação da autarquia, que diz querer prevenir o consumo de drogas

Depois de Bilbau, Saragoça. O município está a ser criticado por ter distribuído um folheto que explica como 'snifar' cocaína e que, segundo a oposição, incita ao consumo de estupefacientes.

De acordo com o El País, trata-se de uma publicação com 31 páginas que elenca "precauções" a tomar no uso de estupefacientes, mas que especifica "a composição, posologia, as contraindicações e os efeitos secundários de drogas que são legais", acusa o PP, que está na oposição da autarquia, governada pela coligação "Zaragoza en Común".

Fontes municipais garantem que este tipo de programa de prevenção é feito na cidade há décadas e que o objetivo foi encontrar novas formas de enfrentar o problema do consumo de drogas, daí frases como "para fabricar um rolo que não faça dano nos epitélios nasais, é preferível usar papel ou cartão enrolado a tubos de materiais duros", ou "a toma de canábis é preferível reservá-la para ocasiões especiais".

"Informa-se amplamente sobre os efeitos adversos do consumo de drogas", defendeu a autarquia em comunicado. "A informação é verdadeira e tem base científica".

Já em setembro do ano passado, a cidade espanhola de Bilbau, no País Basco, foi criticada por distribuir kits para o consumo seguro de cocaína e outras drogas inaláveis. O kit, que incluía um cartão do tamanho de um cartão de crédito, era dado aos sábados à noite nas zonas de lazer e durante as festas de agosto da cidade, uma iniciativa do departamento de saúde da autarquia.

Mas, perante as críticas de que este ato incentivava o consumo de drogas, as autoridades locais decidiram interromper a distribuição das embalagens. "Corta bem a tua linha. Se não for bem cortada pode danificar as tuas narinas", lia-se no cartão que trazia o logótipo da cidade de Bilbau.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.