Presidente iraniano acusa EUA de mentirem: sanções são "ultrajantes e idiotas"

Washington diz que as medidas foram tomadas para desencorajar Teerão de desenvolver armas nucleares e de apoiar grupos extremistas.

O presidente iraniano, Hassan Rouhani, acusou hoje os Estados Unidos de mentirem quando disseram que queriam negociar com Teerão, após o anúncio das sanções contra o ministro das Relações Exteriores do Irão, Mohammad Javad Zarif.

"Ao mesmo tempo em que apelam às negociações, tentam sancionar o ministro das Relações Exteriores! É óbvio que estão a mentir", disse Rouhani, num discurso transmitido pela televisão.

Rouhani considerou ainda que as novas sanções dos EUA são "ultrajantes e idiotas".

O conselheiro de segurança nacional dos EUA, John Bolton, lamentou hoje o silêncio "ensurdecedor" do Irão, dizendo que a porta permanece aberta a "negociações reais", apesar das atuais tensões entre Washington e Teerão.

No rescaldo do anúncio de novas sanções dos Estados Unidos contra o Irão, um porta-voz iraniano considerou que essas medidas "fecham permanentemente o caminho da diplomacia com o governo dos EUA".

O Presidente norte-americano, Donald Trump, promulgou na segunda-feira novas sanções contra vários responsáveis iranianos, entre eles o aiatola Ali Khamenei. As autoridades norte-americanas também informaram que planeiam sanções contra o ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Mohammad Javad Zarif.

A agência iraniana de notícias estatais Irna citou hoje o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Abbas Mousavi, que afirmou que a decisão de Trump significa o fim da diplomacia entre os dois países.

"As sanções infrutíferas à liderança do Irão e ao chefe da diplomacia iraniana significam o fim permanente do caminho da diplomacia com a administração frustrada dos EUA", disse Mousavi.

Washington diz que as medidas foram tomadas para desencorajar Teerão de desenvolver armas nucleares e de apoiar grupos extremistas.

A decisão foi tomada num clima de crescentes tensões entre o Irão e os EUA sobre o acordo nuclear de Teerão com diversas potências mundiais e que foi abandonado por Washington.

Exclusivos