Polícia argentina que amamentou bebé em serviço foi promovida

Como forma de reconhecimento do gesto "de amor espontâneo", Celeste Ayala foi promovida a sargento

Celeste Ayala estava de plantão no hospital infantil Sor María Ludovica, perto de Buenos Aires, na Argentina, quando ouviu um bebé, que tinha sido retirado à família, a chorar. Sem hesitar, resolveu abraçá-lo e amamentá-lo, um gesto fotografado e partilhado pelo colega de turno, que entretanto se tornou viral. Na sequência do episódio, Celeste foi promovida a sargento.

"Quero tornar público este grande gesto de amor que tiveste com aquele bebé, que não conhecias, mas por quem não hesitaste nem por um momento em agir como uma mãe. Não te importaste se ele estava sujo ou se cheirava mal, como alertaram os profissionais de saúde. Coisas como esta não são vistas todos os dias", escreveu o colega Marcos Heredia no Facebook, onde publicou a fotografia, que já teve mais de 113 000 partilhas.

Em declarações ao site Crónica, Celeste explicou o sucedido: "Percebi que ele estava com fome, porque estava com a mão na boca, então decidi abraçá-lo e amamentá-lo".

"Foi um momento triste, partiu-me a alma vê-lo assim. A sociedade devia ser mais sensível para estas questões; isto não pode continuar a acontecer", disse.

Na sequência do gesto, adianta o The Guardian, Celeste Ayala foi promovida a sargento. Após receber a oficial, Cristian Ritondo, ministro da Segurança de Buenos Aires, escreveu no Twitter: "Queríamos agradecer-lhe pessoalmente por este gesto de amor espontâneo, que conseguiu acalmar o choro do bebé. Esta é a polícia que nos orgulha, a polícia que queremos".

Celeste foi ainda elogiada pela corporação de bombeiros com a qual colabora: "Ações como esta enchem-nos de orgulho".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.