Polícia britânica detém uma mulher após ataque com faca

Um ataque com recurso a uma faca de cozinha ocorreu este sábado na cidade de Barnsley, no norte de Inglaterra. Uma pessoa sofreu ferimentos ligeiros e a polícia deteve um suspeito

Uma pessoa sofreu ferimentos ligeiros depois de um ataque com recurso a uma faca no centro da cidade de Barnsley, a norte de Inglaterra, noticia a Reuters. De acordo com a polícia de South Yorkshire, uma mulher foi detida na sequência deste ataque.

De acordo com o jornal The Sun , testemunhas no local referem-se a uma mulher que tinha na sua posse uma faca enorme e que gritou: "Matar, matar, matar", antes de atacar uma pessoa que estava a passar naquela altura.

A polícia apreendeu a faca usada no ataque que está a ser analisada pelos peritos forenses.

Em comunicado, as autoridades avançam que está em curso uma investigação "para determinar se este é um incidente isolado" e se a mulher "agiu sozinha".

Desconhece-se, para já, o que estará na origem do ataque, que está a ser investigado pela polícia de South Yorkshire, que conta a colaboração de de inspetores da unidade de contra terrorismo.

A polícia, que descreveu a situação como um "incidente grave", pediu à população para estar vigilante e denunciar qualquer suspeita.

Atualizado às 15:13.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.