Parlamento Europeu adia discussão sobre direitos de autor na internet

Parlamento remete para setembro debater o tema

O Parlamento Europeu votou contra a proposta legislativa dos direitos de autor na internet. A rejeição remete, no entanto, para a próxima sessão legislativa a discussão das alterações à proposta de lei.

A votação foi de 318 votos a favor e 278 contra. O diploma foi devolvido à comissão parlamentar dos Assuntos Jurídicos para que o texto fosse revisto.

O deputado alemão, do Partido Popular Europeu, Axel Voss, que assumiu o papel de relator do documento colocado esta quinta-feira para votação parlamentar, lamentou que "a maioria dos eurodeputados não tenha apoiado a posição defendida por ele e pela comissão parlamentar".

"Mas isto faz parte do processo democrático. Voltaremos a este assunto em setembro para uma análise mais aprofundada e para tentar dar resposta às preocupações manifestadas pelos cidadãos, adaptando as regras relativas aos direitos de autor à era digital", prometeu.

A rejeição abre caminho à votação de alterações ao texto, que será assim debatido e submetido à votação de todos os eurodeputados na sessão plenária que decorre de 10 a 13 de setembro, em Estrasburgo.

Choque de interesses

Há cerca de dois anos, Bruxelas decidiu propor a atualização das regras relativas à internet, já que as que estão em vigor são anteriores a grande parte criação das principais plataformas de internet, que conhecemos hoje, como o YouTube ou o Facebook.

Mas, o artigo 13º acabou por se tornar, ao longo deste tempo, o campo de batalha entre as indústrias interessadas. De um lado os gigantes da era digital, do outro os produtores de conteúdos, que alimentam as plataformas digitais.

O dito artigo exige que as empresas digitais sejam capazes de detetar a presença de conteúdos pirateados e os eliminem, com a finalidade de proteger os direitos de autor.

De acordo com um comunicado divulgado pelo Parlamento Europeu, "a decisão da comissão parlamentar dos Assuntos Jurídicos de abrir negociações com os Estados-Membros sobre a proposta relativa aos direitos de autor foi anunciada em plenário na segunda-feira".

"Os eurodeputados tiveram até terça-feira, à meia-noite, para decidir se colocavam o assunto na agenda de quinta-feira. Como mais de 10% dos eurodeputados assim o solicitaram, a votação sobre o apoio ou a rejeição do mandato de negociação realizou-se hoje em plenário".

Como o PE rejeitou o mandato de negociação aprovado em sede de comissão parlamentar, a proposta e alterações aos respetivos artigos serão votados na sessão plenária de setembro.

O mandato de negociação aprovado na comissão dos Assuntos Jurídicos no dia 20 de junho foi rejeitado por 318 votos contra, 278 a favor e 31 abstenções.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.