Papa: O que dizer a um pai de uma criança homossexual? "Há tanto a ver com a psiquiatria"

O Papa Francisco recomendou aos pais que não condenem, que conversem, abram espaço aos filhos para falarem. "O silêncio não é remédio"

O Papa Francisco sugeriu que os pais não devem condenar a homossexualidade dos filhos, antes procurarem conversar com eles. "O silêncio não é um remédio", apontou o bispo de Roma, falando aos jornalistas a bordo do avião no qual regressava a Roma, depois da visita à Irlanda.

Questionado por um jornalista sobre o que diria a um pai se tiver um filho homossexual, o Papa começou por lembrar, citado pelo jornal italiano La Repubblica: " Sempre houve pessoas com tendências homossexuais..." E acrescentou : "Eu diria a um pai para orar, não para condenar, dialogar, compreender, abrir espaço para o filho e para a filha se expressarem."

Francisco reiterou depois que há abordagens diferentes conforme a idade dos filhos. " Em que idade surge essa inquietação? Uma coisa é se ela se manifesta como crianças: há tantas coisas a ver com a psiquiatria. Outra é se ela se manifesta depois dos 20 anos. O silêncio não é um remédio: ignorar um filho com tendência homossexual é uma falta de paternidade ou de maternidade."

Francisco regressou a Roma, depois de dois dias na Irlanda, para participar no IX Encontro Internacional de Famílias, onde foi confrontado com os muitos casos de abusos sexuais de menores que mancham a igreja irlandesa. O Papa pediu perdão por esses abusos, numa visita onde foi também muito contestado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.