Os planos Trump para a NASA incluem uma base na Lua e carros voadores. Com menos dinheiro

Os cortes anunciados pela administração do Presidente dos EUA não esmorecem o administrador da agência espacial norte-americana

Depois de ter sido noticiado no passado domingo o plano de Donald Trump para transformar a Estação Espacial Internacional numa operação comercial e privada, e revelado o orçamento norte-americano para a Nasa esta segunda-feira, que tem previstos vários cortes, Robert Lightfoot, administrador da agência espacial dos EUA, revelou que a NASA continua com a intenção de criar uma nova estação espacial que orbitará em torno da Lua. Chamar-se-á Lunar Orbit Platform Gateway.

A Nasa pretende lançar o módulo propulsor para a tal estação espacial em 2022, disse Lightfoot, de acordo com o Guardian, de maneira a colocar a estação em órbita em 2030 quando, acrescentou, várias pessoas trabalharão na lua e no espaço.

"Estou confiante que os EUA vão liderar o regresso à Lua, com humanos a trabalhar na órbita lunar, na superfície lunar, e entre a Terra e a Lua", afirmou.

A agência aeroespacial americana também prosseguirá a investigação para criar drones mais avançados, uma frota de aviões supersónicos de passageiros e até carros voadres, como "os dos Jetson", numa alusão à clássica série de animação em que se passa no futuro e em que a família se desloca pelo ar.

O orçamento de Trump para a Nasa prevê que apenas cerca de 890 millhões de dólares, de um orçamento de 20 mil milhões, esteja disponível para a categoria Advanced Exploration Systems, que tem em si os projetos para o espaço profundo.

A administração Trump quer novamente eliminar o programa educativo da NASA do orçamento, bem como cinco missões terrestres. Pretende também acabar com um projeto que tem como objetivo ajudar a prever a meteorologia e monitorizar o calor na atmosfera. São esperados também cortes orçamentais no campo da astrofísica e no programa WFIRST, que consiste num telescópio espacial para estudar energia escura e planetas fora do Sistema Solar.

O financiamento da NASA terá ainda de ser aprovado pelo Congresso.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.