Os planos Trump para a NASA incluem uma base na Lua e carros voadores. Com menos dinheiro

Os cortes anunciados pela administração do Presidente dos EUA não esmorecem o administrador da agência espacial norte-americana

Depois de ter sido noticiado no passado domingo o plano de Donald Trump para transformar a Estação Espacial Internacional numa operação comercial e privada, e revelado o orçamento norte-americano para a Nasa esta segunda-feira, que tem previstos vários cortes, Robert Lightfoot, administrador da agência espacial dos EUA, revelou que a NASA continua com a intenção de criar uma nova estação espacial que orbitará em torno da Lua. Chamar-se-á Lunar Orbit Platform Gateway.

A Nasa pretende lançar o módulo propulsor para a tal estação espacial em 2022, disse Lightfoot, de acordo com o Guardian, de maneira a colocar a estação em órbita em 2030 quando, acrescentou, várias pessoas trabalharão na lua e no espaço.

"Estou confiante que os EUA vão liderar o regresso à Lua, com humanos a trabalhar na órbita lunar, na superfície lunar, e entre a Terra e a Lua", afirmou.

A agência aeroespacial americana também prosseguirá a investigação para criar drones mais avançados, uma frota de aviões supersónicos de passageiros e até carros voadres, como "os dos Jetson", numa alusão à clássica série de animação em que se passa no futuro e em que a família se desloca pelo ar.

O orçamento de Trump para a Nasa prevê que apenas cerca de 890 millhões de dólares, de um orçamento de 20 mil milhões, esteja disponível para a categoria Advanced Exploration Systems, que tem em si os projetos para o espaço profundo.

A administração Trump quer novamente eliminar o programa educativo da NASA do orçamento, bem como cinco missões terrestres. Pretende também acabar com um projeto que tem como objetivo ajudar a prever a meteorologia e monitorizar o calor na atmosfera. São esperados também cortes orçamentais no campo da astrofísica e no programa WFIRST, que consiste num telescópio espacial para estudar energia escura e planetas fora do Sistema Solar.

O financiamento da NASA terá ainda de ser aprovado pelo Congresso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.