Os planos Trump para a NASA incluem uma base na Lua e carros voadores. Com menos dinheiro

Os cortes anunciados pela administração do Presidente dos EUA não esmorecem o administrador da agência espacial norte-americana

Depois de ter sido noticiado no passado domingo o plano de Donald Trump para transformar a Estação Espacial Internacional numa operação comercial e privada, e revelado o orçamento norte-americano para a Nasa esta segunda-feira, que tem previstos vários cortes, Robert Lightfoot, administrador da agência espacial dos EUA, revelou que a NASA continua com a intenção de criar uma nova estação espacial que orbitará em torno da Lua. Chamar-se-á Lunar Orbit Platform Gateway.

A Nasa pretende lançar o módulo propulsor para a tal estação espacial em 2022, disse Lightfoot, de acordo com o Guardian, de maneira a colocar a estação em órbita em 2030 quando, acrescentou, várias pessoas trabalharão na lua e no espaço.

"Estou confiante que os EUA vão liderar o regresso à Lua, com humanos a trabalhar na órbita lunar, na superfície lunar, e entre a Terra e a Lua", afirmou.

A agência aeroespacial americana também prosseguirá a investigação para criar drones mais avançados, uma frota de aviões supersónicos de passageiros e até carros voadres, como "os dos Jetson", numa alusão à clássica série de animação em que se passa no futuro e em que a família se desloca pelo ar.

O orçamento de Trump para a Nasa prevê que apenas cerca de 890 millhões de dólares, de um orçamento de 20 mil milhões, esteja disponível para a categoria Advanced Exploration Systems, que tem em si os projetos para o espaço profundo.

A administração Trump quer novamente eliminar o programa educativo da NASA do orçamento, bem como cinco missões terrestres. Pretende também acabar com um projeto que tem como objetivo ajudar a prever a meteorologia e monitorizar o calor na atmosfera. São esperados também cortes orçamentais no campo da astrofísica e no programa WFIRST, que consiste num telescópio espacial para estudar energia escura e planetas fora do Sistema Solar.

O financiamento da NASA terá ainda de ser aprovado pelo Congresso.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.