Os planos Trump para a NASA incluem uma base na Lua e carros voadores. Com menos dinheiro

Os cortes anunciados pela administração do Presidente dos EUA não esmorecem o administrador da agência espacial norte-americana

Depois de ter sido noticiado no passado domingo o plano de Donald Trump para transformar a Estação Espacial Internacional numa operação comercial e privada, e revelado o orçamento norte-americano para a Nasa esta segunda-feira, que tem previstos vários cortes, Robert Lightfoot, administrador da agência espacial dos EUA, revelou que a NASA continua com a intenção de criar uma nova estação espacial que orbitará em torno da Lua. Chamar-se-á Lunar Orbit Platform Gateway.

A Nasa pretende lançar o módulo propulsor para a tal estação espacial em 2022, disse Lightfoot, de acordo com o Guardian, de maneira a colocar a estação em órbita em 2030 quando, acrescentou, várias pessoas trabalharão na lua e no espaço.

"Estou confiante que os EUA vão liderar o regresso à Lua, com humanos a trabalhar na órbita lunar, na superfície lunar, e entre a Terra e a Lua", afirmou.

A agência aeroespacial americana também prosseguirá a investigação para criar drones mais avançados, uma frota de aviões supersónicos de passageiros e até carros voadres, como "os dos Jetson", numa alusão à clássica série de animação em que se passa no futuro e em que a família se desloca pelo ar.

O orçamento de Trump para a Nasa prevê que apenas cerca de 890 millhões de dólares, de um orçamento de 20 mil milhões, esteja disponível para a categoria Advanced Exploration Systems, que tem em si os projetos para o espaço profundo.

A administração Trump quer novamente eliminar o programa educativo da NASA do orçamento, bem como cinco missões terrestres. Pretende também acabar com um projeto que tem como objetivo ajudar a prever a meteorologia e monitorizar o calor na atmosfera. São esperados também cortes orçamentais no campo da astrofísica e no programa WFIRST, que consiste num telescópio espacial para estudar energia escura e planetas fora do Sistema Solar.

O financiamento da NASA terá ainda de ser aprovado pelo Congresso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.