OLP condena Austrália por reconhecer Jerusalém Ocidental como capital de Israel

O secretário-geral da Organização de Libertação da Palestina (OLP) diz que o reconhecimento por parte da Austrália de Jerusalém Ocidental como capital israelita é um "anúncio irresponsável que contradiz a paz e a segurança mundial"

A OLP qualificou esta decisão de "políticas nacionais mesquinhas" e o seu secretário-geral, Saeb Erekat, afirmou que a atual administração australiana "não fez nada para promover a solução de dois Estados". A Austrália "escolheu juntar-se a Trump, Netanyahu e outros dois governos ao votar contra a solução de dois Estados, numa resolução da ONU apoiada por 156 nações", criticou o líder palestino.

"O governo australiano recusa-se a reconhecer a Palestina como um Estado e vota em fóruns internacionais contra o direito dos palestinos à autodeterminação", condenou Saeb Erekat, acrescentando que a questão sobre o estatuto final de Jerusalém "continua a ser um tema" para discutir em hipotéticas negociações finais de paz. Além disso, salientou, "Jerusalém Oriental, de acordo com o direito internacional, é parte integrante do Território Palestino Ocupado".

"O anúncio da Austrália de abrir uma delegação comercial na cidade nega a sua afirmação de que cumpre com a Resolução 478ª. do Conselho de Segurança da ONU", que considera a anexação de Jerusalém Oriental por Israel, em 1980, como "nula e sem efeito", e pede aos países que retirem as missões diplomáticas da cidade.

Hanán Ashrawi, membro do comité executivo da OLP que enviou na sexta-feira uma carta ao primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, a pedir que não transferisse a embaixada australiana para Jerusalém, disse à agência espanhola Efe que, com a sua decisão, a Austrália se tornaria "parceira dos crimes de guerra que Israel exerce na Cisjordânia".

O primeiro-ministro australiano disse que Camberra decidiu reconhecer formalmente o oeste de Jerusalém como a capital de Israel, mas que não vai mudar a embaixada até que haja um acordo de paz com a Palestina. "O Governo australiano decidiu que a Austrália agora reconhece o oeste de Jerusalém como a sede do Knesset e de muitas das instituições do Governo (...) é a capital de Israel", disse Scott Morrison, durante um discurso.

O primeiro-ministro afirmou ainda que a Austrália está disposta a reconhecer Jerusalém Oriental como capital da Palestina se um acordo de paz for alcançado, numa solução de dois Estados. A embaixada australiana não será transferida de Tel Aviv até que haja acordo, garantiu.

Os Estados Unidos da América foram o primeiro país a tomar esta decisão, em dezembro de 2017, que rompeu com décadas de consenso internacional sobre a Cidade Santa, cuja parte oriental é ocupada por Israel desde 1967 e reivindicada pelos palestinianos como capital do seu Estado.

Depois, a Guatemala e o Paraguai tomaram decisão idêntica. Mas em setembro, o Governo do atual Presidente paraguaio, Mario Abdo Benítez, disse que iria anular a decisão, "absolutamente unilateral e sem consulta, sem qualquer tipo de elementos, nem argumentos fundados no Direito Internacional", tomada pelo presidente cessante, Horácio Cartes, e anunciou o fecho da embaixada. Esta decisão provocou mal-estar em Israel que, por seu lado, decidiu encerrar a sua representação em Assunção.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.