O ministro demissionário de Macron que anda há anos a dizer que o mundo sofre da síndrome do Titanic

Em direto na rádio, Nicolas Hulot demitiu-se do cargo de Ministro da Transição Ecológica, sem ter antes comunicado a decisão ao primeiro-ministro ou ao presidente Macron

Nicolas Hulot anda há anos a alertar os franceses e o resto do mundo para a necessidade de proteger o planeta. Em 2004 lançou um livro intitulado "A Síndrome do Titanic", que quatro anos depois deu origem a um documentário, com o mesmo título.

O ministro da Transição Ecológica de França, que esta manhã se demitiu em direto na rádio sem avisar o primeiro-ministro ou o presidente, traça um paralelo entre o navio cruzeiro que naufragou depois de ter embatido contra um icebergue em 1912. Enquanto a água começava a entrar no barco, os passageiros ainda comiam, dançavam, despreocupadamente, como retratado no filme Titanic de James Cameron de 1998. E, para Hulot, a situação do mundo é semelhante, pois as pessoas vivem bem, agora, mas o icebergue aproxima-se.

"Eu tomo a decisão de deixar o governo", disse durante uma entrevista à rádio France Inter, após confidenciar que se sentia "sozinho" e "desiludido" no governo face à gestão dos dossiês ambientais. "Vou tomar a decisão mais difícil da minha vida, não quero mais mentir para mim mesmo, não quero dar a ilusão de que a minha presença no governo significa que estamos à altura do desafio", acrescentou, tendo um porta-voz do governo lamentado a forma como Hulot, de 63 anos, anunciou a sua decisão.

"A mais elementar das cortesias mandaria que tivesse informado o presidente da República e o primeiro-ministro", afirmou, à BFMTV, o porta-voz governamental Benjamin Griveaux. Segundo o jornalista da France Inter que entrevistou Hulot, Thomas Legrand, o ministro decidiu demitir-se durante a emissão quando foi confrontado com as perguntas que o mesmo lhe colocou.

Hulot, nascido em Lille, diz que não nasceu ecologista, tornou-se ecologista. O seu avô paterno era arquiteto e vizinho de Jacques Tati, sendo referido como a inspiração da personagem Monsieur Hulot, do filme Les Vacances de Monsieur Hulot, de 1953. O seu pai, Philippe Hulot, era garimpeiro e criador de jardins. E a sua mãe, Monique Moulun, era responsável por várias casas de saúde.

Homem duro, de combate, Hulot tem atrás de si a história de uma infância e adolescência sofrida. O pai morreu de cancro quanto ele tinha 15 anos e quatro anos mais tarde encontrou o irmão, Gonzague, morto na cave, depois de este ter cometido suicídio. Era véspera de Natal. Hulot e a sua outra irmã, Béatrice, não contaram nada à mãe até ao outro dia de manhã. Para não estragar a festa. Mais tarde, em 1989, na sua autobiografia parcial Les Chemins de Traverse, Nicolas Hulot refere-se a "essa imunda noite de Natal".

Nesse livro é passado em revista o seu percurso. Hulot foi nadador-salvador, instrutor de vela, fotógrafo. Esteve na Guatemala na altura do terramoto que fez 20 mil mortos em 1976. Foi para a África com o velejador/navegador Éric Tabarly. No ano seguinte esteve na Rodésia (atual Zimbabwe). Depois da fotografia passa para a France Inter, a mesma rádio em que anunciou, esta terça-feira de manhã, a sua demissão.

Homem dos mil desportos radicais, Hulot chegou a fazer um Paris-Dacar, dois ralis da Córsega, duas expedições polares, desceu o Zambeze. Depois passou para a televisão. Para onde levou esse seu gosto pela aventura extrema. Em 1987, criou, na TF1, o programa Ushuaia, que vai buscar o nome à cidade argentina que serve de capital à Terra do Fogo.

O programa deu, mais tarde, origem à fundação Ushuaia, que se tornou Fundação Nicolas Hulot para a Natureza e o Homem. Esta evoluiu depois para um think tank sobre a transição ecológica, precisamente o nome da pasta que ele ocupava, até agora, no governo francês. O Ushuaia passou depois a Ushuaia TV, canal da TF1, dedicado precisamente a documentários sobre a natureza.

Conselheiro de muitos políticos franceses, lançou, em 2006, um Pacto ecológico, para obrigar à inclusão do tema na campanha para as presidenciais. O seu Pacto foi assinado por cinco dos candidatos na altura na corrida ao Eliseu, Ségolène Royal, Nicolas Sarkozy, François Bayrou, Marie-George Buffet e Dominique Voynet. E mais 740 300 pessoas. Em seguida, após ter conseguido o que queria, anunciou que retirava a sua candidatura às eleições de 2007.

Recusou, várias vezes, entrar em governos. Rejeitou convites, nomeadamente, de Jacques Chirac, Nicolas Sarkozy ou François Hollande. Foi Emmanuel Macron, o homem centrista do En Marche!, que o conseguiu convencer. Hulot deu-se a si próprio um ano. Para ver o que conseguia. Do lado das vitórias, embora simbólicas, tem o abandono do projeto do aeroporto de Notre-Dame-des-Landes. Do lado das derrotas, o objetivo de reduzir em 50%, até 2025, o peso do nuclear na produção de eletricidade.

O homem que disse acreditar que o Acordo de Paris não está morto depois da retirada dos EUA do mesmo, parece agora menos crente. "Nós damos pequenos passos, fazemos mais do que os outros países, a França faz imenso, mas esses pequenos passos são suficientes? A resposta é não", declarou esta terça-feira aos microfones da rádio France Inter. Durante a entrevista, Hulot referiu, por exemplo, o falhanço do governo na luta contra o uso de pesticidas.

Quando chegou ao governo, os media exploraram a sua declaração de rendimentos e bens. Hulot detém um património no valor de 7,2 milhões de euros: 2,9 milhões de bens imobiliários, 3,1 milhões relativos à sua empresa Éole e 1,17 milhões relativos a contratos, investimentos financeiros ou contas correntes.

Segundo a France TV Info, o ministro agora demissionário declarou possuir nove veículos a motor, entre os quais um barco e uma moto elétrica. Em sua defesa, Hulot disse, citado pelo Journal du Dimanche, que "em 95% do seu tempo" desloca-se em veículos "elétricos".

Casado três vezes, pai de três filhos, Nicolas Hulot viu-se envolvido em acusações de agressão sexual. Em fevereiro deste ano, a revista Ebdo publicou que, em 2008, fora apresentada uma queixa contra Hulot por factos que remontavam a 1997 por uma rapariga que seria Pascale Mitterrand, neta do ex-presidente francês François Mitterrand. Hulot, que chegou a ser interrogado em 2008, viu o caso ser arquivado por prescrição. E, por isso, os advogados do ecologista decidiram processar, por difamação, a revista Ebdo. Esta, que tinha sido lançada em janeiro, deixou de ser publicada em março. Durou dois meses.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."