"Nós perdemos cerca de dois milhões de jovens polacos desde que aderimos à UE"

Secretário de Estado dos Assuntos Europeus polaco, Konrad Szymanski, esteve esta terça-feira em Portugal. Sobre os refugiados, disse que a Polónia quer uma nova política da UE, sobre os jovens polacos que foram para outros países, admite que é muito difícil reverter o fluxo, mas que pode ser possível, pelo menos, travá-lo.

Disse que áreas como a imigração e a defesa precisam de mais dinheiro [na UE]. Como justifica a política do seu país face às quotas de refugiados? Se em vez de muçulmanos fossem cristãos, já os aceitariam?
A Europa Central não tem experiência histórica com esta parte do mundo, ou seja, o Médio Oriente. Em países como França, por exemplo, a controvérsia não é tão grande. Acho que essa é a razão pela qual é tão difícil a nível social aceitar a passagem de competências nesta área para o nível supranacional. É uma questão de controlo. A questão cultural também explica a oposição ao sistema de quotas. O problema da imigração só pode ser resolvido com uma resposta unificada em relação às fronteiras externas e cooperação com os países de origem e de trânsito dos imigrantes. Não somos contra a solidariedade europeia, por uma questão de princípio, mas gostaríamos de a expressar de uma forma mais eficiente.

Mas ao mesmo tempo parece que a UE deixou o problema dos refugiados sírios para a Turquia. Não corre o risco de o regime turco fazer o que bem entende porque gere o problema para os europeus?
Foi uma solução extraordinária que encontrámos porque não havia outra forma de travar a crise. Mas este tipo de dependência não é a coisa mais confortável para a Europa. Temos que ver como conseguimos controlar as nossas fronteiras sozinhos, pelos nossos próprios meios. No caso do acordo com a Turquia, claro que há riscos, mas o problema que temos com Ancara é independente da crise migratória. A evolução da situação a nível interno, que preocupa muitos países na UE e afeta o processo de alargamento, é independente desse mecanismo de gestão dos refugiados.

Este fim de semana, em Portugal, o primeiro-ministro António Costa fez um apelo aos jovens portugueses que emigraram para regressarem. Já vimos isto na Polónia. Resultou? Eles voltaram?
A imigração, seja dentro da UE ou externa, é sempre uma má notícia para um país. Há uma perda das suas pessoas mais dinâmicas. Nós perdemos cerca de dois milhões de jovens polacos desde que aderimos à UE. Por exemplo, o brexit e o desenvolvimento económico da Polónia é um bom argumento para voltar, mas a proporção não é muito satisfatória. Porque, para quem se mudou com filhos e tudo é difícil decidir voltar, apenas por voltar. É preciso uma razão forte. Mas se não se consegue reverter o fluxo, pode-se pelo menos travá-lo. A imigração agora é menos na Polónia.

"O PROBLEMA NÃO ESTÁ RESOLVIDO. E VEMOS ISSO EM ITÁLIA"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.