"Nós perdemos cerca de dois milhões de jovens polacos desde que aderimos à UE"

Secretário de Estado dos Assuntos Europeus polaco, Konrad Szymanski, esteve esta terça-feira em Portugal. Sobre os refugiados, disse que a Polónia quer uma nova política da UE, sobre os jovens polacos que foram para outros países, admite que é muito difícil reverter o fluxo, mas que pode ser possível, pelo menos, travá-lo.

Disse que áreas como a imigração e a defesa precisam de mais dinheiro [na UE]. Como justifica a política do seu país face às quotas de refugiados? Se em vez de muçulmanos fossem cristãos, já os aceitariam?
A Europa Central não tem experiência histórica com esta parte do mundo, ou seja, o Médio Oriente. Em países como França, por exemplo, a controvérsia não é tão grande. Acho que essa é a razão pela qual é tão difícil a nível social aceitar a passagem de competências nesta área para o nível supranacional. É uma questão de controlo. A questão cultural também explica a oposição ao sistema de quotas. O problema da imigração só pode ser resolvido com uma resposta unificada em relação às fronteiras externas e cooperação com os países de origem e de trânsito dos imigrantes. Não somos contra a solidariedade europeia, por uma questão de princípio, mas gostaríamos de a expressar de uma forma mais eficiente.

Mas ao mesmo tempo parece que a UE deixou o problema dos refugiados sírios para a Turquia. Não corre o risco de o regime turco fazer o que bem entende porque gere o problema para os europeus?
Foi uma solução extraordinária que encontrámos porque não havia outra forma de travar a crise. Mas este tipo de dependência não é a coisa mais confortável para a Europa. Temos que ver como conseguimos controlar as nossas fronteiras sozinhos, pelos nossos próprios meios. No caso do acordo com a Turquia, claro que há riscos, mas o problema que temos com Ancara é independente da crise migratória. A evolução da situação a nível interno, que preocupa muitos países na UE e afeta o processo de alargamento, é independente desse mecanismo de gestão dos refugiados.

Este fim de semana, em Portugal, o primeiro-ministro António Costa fez um apelo aos jovens portugueses que emigraram para regressarem. Já vimos isto na Polónia. Resultou? Eles voltaram?
A imigração, seja dentro da UE ou externa, é sempre uma má notícia para um país. Há uma perda das suas pessoas mais dinâmicas. Nós perdemos cerca de dois milhões de jovens polacos desde que aderimos à UE. Por exemplo, o brexit e o desenvolvimento económico da Polónia é um bom argumento para voltar, mas a proporção não é muito satisfatória. Porque, para quem se mudou com filhos e tudo é difícil decidir voltar, apenas por voltar. É preciso uma razão forte. Mas se não se consegue reverter o fluxo, pode-se pelo menos travá-lo. A imigração agora é menos na Polónia.

"O PROBLEMA NÃO ESTÁ RESOLVIDO. E VEMOS ISSO EM ITÁLIA"

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.